Museu da Diversidade Sexual inaugura exposição sobre Drag Queens

O Museu da Diversidade Sexual, instituição do Governo de São Paulo, recebe, a partir de sábado 30/4, a exposição Duo Drag, com fotografias de 50 Drag Queens, retratadas pelo fotógrafo Paulo Vitale e com curadoria de Leonardo Birche. A mostra inclui diversas artistas que são referências dessa representação desde os anos 1980, como Silvetty Montilla, Marcia Pantera, Kaká Di Polly, Miss Judy Rainbow e Lysa Bombom.

Na abertura, que contará com a presença de várias retratadas, também será lançado o livro com as fotos de Paulo Vitale, selecionadas por Jean Cavalcante. A visitação é gratuita durante toda a exposição, que segue até junho.

A exposição também busca mostrar a importância das Drag Queens para o desenvolvimento cultural e criativo da cidade de São Paulo, uma vez que muitos artistas, cenógrafos, figurinistas, coreógrafos e DJs começaram a se formar e profissionalizar trabalhando em seus shows.

“Convidei Drag Queens de vários nichos, amadoras e profissionais, famosas e anônimas, ícones e iniciantes”, afirma Paulo Vitale. “Meu intuito foi explorar a magia única de cada caracterização, pois, ao usar o próprio corpo como base, essa manifestação artística é visceral e libertadora.” Além das fotografias, a exposição exibirá um vídeo com entrevistas feitas com as Drag Queens, que contam sobre suas carreiras, vidas e desejos.

Para o curador da exposição, Leonardo Birche, artistas encontraram nas Drag Queens uma forma de se expressarem livremente, de se posicionarem, de performar o que desejarem e como desejarem, burlando as barreiras e expectativas determinadas pela sociedade. Ao mesmo tempo, as Drag Queens foram precursoras para a visibilidade das pessoas LGBTQIA+ e fundamentais na luta pelos direitos da comunidade.

“Tentar narrar uma história da arte Drag Queen em São Paulo é falar sobre a potência artística que cada uma das artistas carrega, a sobrevivência cotidiana, os estigmas, as cicatrizes, as glórias e a luta pelos direitos da comunidade LGBTQIA+”, afirma Leonardo Birche.

O Museu da Diversidade Sexual também oferece visitas guiadas pelo educativo da instituição. Agendamentos de grupos podem ser feitos por meio do site .

Museu da Diversidade Sexual inaugura exposição sobre Drag Queens

Sem mais artigos