“Vozes Negras”, 1° musical em formato de série, estreia no Rio em maio

Enaltecer grandes talentos negros femininos da nossa música para rever e reviver seu legado, propor diálogo para sucumbir preconceitos. Esses são alguns dos objetivos do “Vozes Negras – A Força do Canto Feminino”, espetáculo inédito que marcará o início da diversa programação de 2022 da Aventura, uma das maiores produtoras de musicais do país.

A realização é da Coisas Nossas. A estreia acontece no dia 19 de maio, no Teatro Prudential, com uma nova proposta artística, unindo teatro musical e fórum de ideias, sobre pautas do feminismo negro que atravessam e interessam a toda a sociedade. Citando a escritora, professora, antirracista e feminista, bell hooks, o feminismo é para todo mundo!

O diretor e idealizador do projeto, Gustavo Gasparani, que assinou musicais que exaltam a cultura popular, como “SamBRA”, “Otelo da Mangueira”, “Bem Sertanejo” e “Samba Futebol Clube”, convidou o jornalista e realizador cultural Rodrigo França, um dos responsáveis por expressivas produções pensadas no público negro, como “Oboró – Masculinidades Negras” e “Contos Negreiros do Brasil”, para escrever a dramaturgia dos espetáculos ao seu lado. A supervisão e consultoria de representações raciais e de gênero é de Deborah Medeiros.

Com o patrocínio da Enauta, a produção  promete  trazer   música  e  história   para  o público. “É um orgulho para nós da Enauta fazer parte deste projeto inovador, que traz luz à música brasileira e sua rica história. Sempre acreditamos no talento do povo brasileiro e sua cultura, que ultrapassa fronteiras nas mais diversas formas de expressão e conhecimento. O “Vozes Negras – A Força do Canto Feminino” amplia o nosso compromisso com a diversidade, inclusão e representatividade feminina”, comentou Décio Oddone, CEO da Companhia.

O espetáculo é dividido em seis diferentes temas, apresentados um a cada semana, focado em um período histórico-cultural como a Era do Rádio, por exemplo, que contava com a magnitude das vozes de Elizeth Cardoso e Carmen Costa. O “musical em formato de série” passará ainda pelo samba, Bossa Nova, Pop Soul brasileiro entre outros eixos temáticos. Verônica Bonfim, cantora, compositora, escritora, atriz e ativista será a apresentadora do espetáculo. No elenco, Analu Pimenta, Bárbara Sut, Ester Freitas, Roberta Ribeiro e Vanessa Brown, e participações especiais.

Durante cada episódio da série, enquanto a história se desenvolve, haverá a participação de uma debatedora, como Djamila Ribeiro, Conceição Evaristo, Flávia Oliveira, Aza Njeri, Carolina Rocha, Taísa Machado, Leilane Ribeiro, Flavia Diniz, Jurema Wernek, entre outras, promovendo um diálogo entre gerações. “Mantendo a mesma estrutura dramatúrgica, teremos um espetáculo novo a cada semana. A partir das histórias das cantoras pretas brasileiras, e suas respectivas épocas, vamos debater junto com a plateia sobre o que foi superado e o que ainda precisa ser discutido e modificado em nossa sociedade. Me inspirei livremente no Teatro Fórum, de Augusto Boal, para propor essa nova linguagem para o teatro musical”, conta o diretor Gasparani.

A mediação dos debates será de Verônica Bonfim, que vai ouvir e levantar diálogos sobre racismo estrutural que impede mulheres, principalmente negras, de ascender individual, profissional e coletivamente do Brasil de 1500 aos dias de hoje. O que aquelas cantoras tiveram que passar para se consagrarem? O que o mercado e a sociedade impuseram como padrão para serem aceitas? Qual a importância de seus nomes no antirracismo? O que ainda é velado no século XXI que as limita de serem livres em suas escolhas? A proposta é unir cidadãos de diferentes classes sociais, raças, gêneros e orientações sexuais em torno de assuntos que deveriam ser do interesse e um compromisso de todos.

Visando fomentar a inclusão no mercado profissional, a Aventura também vai oferecer estágios nos espetáculos, em diversas funções do backstage: camarins, contrarregragem e monitoria exclusivos para mulheres negras. Serão 22 vagas para profissionais terem a oportunidade de trabalhar em produções futuras.

Todos os espetáculos da série funcionam de forma independente, não é necessário assistir em ordem cronológica. Cada sessão vai abrir espaço para uma conversa com a presença de uma debatedora convidada e a participação da plateia, refletindo sobre as situações vividas pelas homenageadas – O racismo e o feminismo negro nos dias de hoje.

ESPETÁCULO 1 – ‘A Era de Ouro do Rádio’ 

Artistas homenageadas: Carmen Costa & Elizeth Cardoso

Cantora convidada para uma das sessões: Eliana Pittman

Debatedoras convidadas  uma em cada sessão: Djamila Ribeiro, Dandara Suburbana, Aza Njeri e Flávia Diniz

Sinopse: O primeiro espetáculo da série musical Vozes Negras – A Força do Canto Feminino exaltará a Era do Rádio, homenageando duas de suas maiores estrelas: Carmen Costa e Elizeth Cardoso. As duas nasceram no mesmo ano 1920. Ambas eram de origem humilde, e com talento e determinação, superaram as barreiras do preconceito e escreveram seus nomes na história sem negarem suas raízes. O que não era fácil numa época tão cheia de convenções e referências hollywoodianas. Foram pioneiras ao levar a nossa canção pelo mundo afora, alcançando o mais alto degrau da glória. No repertório musical, grandes sucessos de Carmen e Elizeth.

ESPETÁCULO 2 – ‘Samba, Terreiro e Ancestralidade’

Artistas homenageadas: Clementina de Jesus & D. Ivone Lara

Cantora convidada para uma das sessões: Áurea Martins

Debatedoras convidadas – uma em cada sessão: Jurema Werneck, Célia Domingues, Flávia Oliveira e Valéria Monã

Sinopse : O segundo espetáculo da série musical Vozes negras – A Força do Canto Feminino exaltará o samba – seus terreiros e sua ancestralidade – homenageando duas de suas maiores damas: Clementina de Jesus e Dona Ivone Lara. Sem esquecer das “tias” baianas que se fixaram no centro do Rio de Janeiro no fim do século XIX, numa região chamada Pequena África; e o famoso quintal da Tia Ciata, por onde passaram grandes nomes do samba. No repertório musical, grandes sucessos de Clementina e Dona Ivone.

ESPETÁCULO 3 – ‘Samba-canção e Bossa-nova’

Artistas homenageadas: Dolores Duran e Alaíde Costa

Cantora convidada para as quatro sessões: Alaíde Costa

Debatedoras convidadas – uma em cada sessão: Conceição Evaristo, Jurema Werneck, Dandara Suburbana e Taísa Machado

Sinopse: O terceiro espetáculo da série musical Vozes Negras – A Força do Canto Feminino exaltará o Samba-Canção e a Bossa Nova, homenageando duas de suas maiores estrelas Dolores Duran Alaíde Costa.Duas mulheres negras, de origem pobre, fizeram história na música brasileira. Desde cedo aprenderam que para vencer na vida, precisam batalhar e lutar contra as adversidades do sistema. No meio de muito revés, Dolores Duran e Alaíde Costa nunca deixaram de sonhar e cantar. No repertório musical, grandes sucessos de Dolores e Alaíde.

ESPETÁCULO 4 – ‘Do Samba ao Jazz, sem limites’

Artistas homenageadas: Alcione & Elza Soares

Cantora convidada para uma das sessões: Sandra de Sá  

Debatedoras convidadas – uma em cada sessão : Fátima Lima, Jaqueline Jesus, Aza Njeri e Leilane Ribeiro

Sinopse: No quarto espetáculo da série musical Vozes Negras – A Força do Canto Feminino, exaltaremos duas divas da nossa canção: Alcione e Elza Soares. As gravadoras bem que tentaram enquadrá-las somente dentro do rótulo de sambistas. Mas sem negar o ritmo que as popularizou, deram a volta no mercado fonográfico e no preconceito, provando que poderiam ir muito além do papel ‘escolhido’ para elas. Criaram uma sonoridade própria, extrapolaram os limites de qualquer rótulo, alcançando uma enorme popularidade. Duas vozes personalíssimas, reconhecidas internacionalmente. No repertório musical, grandes sucessos de Alcione e Elza.

ESPETÁCULO 5 – ‘Do Soul ao Afropop’

Artistas homenageadas: Margareth Menezes & Sandra de Sá

Cantora convidada para uma das sessões: Margareth Menezes

Debatedoras convidadas – uma em cada sessão: Claudia Miranda, Flávia Diniz, Célia Domingues e Valéria Monã.

Sinopse : O quinto espetáculo da série musical Vozes Negras – A Força do Canto Feminino, exaltará duas cantoras da pesada que botaram o país inteiro pra dançar: Sandra de Sá Margareth Menezes. E nessa semana memorável, vai ter festa de clube e de rua! Sandra é considerada uma evolução natural do movimento Black Rio que, pela primeira vez, tinha uma representante feminina. Margareth, é a nossa rainha do afropop baiano. É pra dançar! No repertório musical, grandes sucessos de Sandra e Margareth.

ESPETÁCULO 6 – ‘Novas Gerações’ 

Artistas homenageadas: Tati Quebra Barraco & Iza

Cantora convidada para uma das sessões: Urias

Debatedoras convidadas – uma em cada sessão : Claudia Miranda, Jaqueline Jesus, Leilane Ribeiro e Taísa Machado.

Sinopse : O sexto espetáculo da série musical Vozes Negras – A Força do Canto Feminino, exaltará a nova geração de cantoras, homenageando duas de nossas maiores estrelas: Tati Quebra Barraco Iza. Duas mulheres cariocas: uma da Cidade de Deus e a outra de Olaria. Tati, é uma das precursoras do gênero funk carioca. Iza domina o cenário pop brasileiro. Duas mulheres diferentes, mas que se igualam na coragem de cantar exaltando e enaltecendo a liberdade da mulher. No repertório musical, grandes sucessos de Tati e Iza.

Ficha Técnica

Produção: Aventura

Realização: Coisas Nossas

Idealização, Direção geral e Dramaturgia: Gustavo Gasparani
Dramaturgia: Rodrigo França
Consultora de representações raciais e de gênero: Deborah Medeiros
Pesquisa histórica e musical: Rodrigo Faour
Direção Musical: Claudia Elizeu e Wladimir Pinheiro
Coreografia: Junior Scapin
Figurino: Wanderley Gomes
Cenário: Mina Quental
Iluminação: Ana Luzia de Simoni
Diretores assistentes e residentes: Menelick Carvalho e Sueli Guerra

Assistente de direção: Marluce Medeiros

Assistentes de Direção Musical e Pianistas Ensaiadores: Leo Araújo e Paulo Maria

Assistente de Coreografia: Rodrigo Marcel

Assistente de Figurino: Viviane Santos

Elenco: Analu Pimenta, Bárbara Sut, Ester Freitas, Roberta Ribeiro e Vanessa Brown.

Apresentadora dos espetáculos e Mediadora dos debates: Verônica Bonfim

"Vozes Negras", 1° musical em formato de série, estreia no Rio em maio

Sem mais artigos