Os professores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) encerraram nesta quinta-feira (13) a paralisação que durou 21 dias.

A decisão foi tomada nesta manhã, em assembléia que reuniu 128 docentes, dos quais 29 votaram pela continuação da greve, de acordo com a Associação de Docentes da Unicamp (Adunicamp).

Segundo o professor Edmundo, vice-presidente da Adunicamp, além da autonomia universitária, a manifestação pretendia um reajuste salarial, verbas para a assistência estudantil e questões referentes ao hospital universitário. As discussões serão mantidas num fórum permanente, uma vez que as reivindicações não foram atendidas.

A questão do aumento dos salários será entra em pauta em agosto. O corpo docente pede um reajuste de 3,15% mais a incorporação de 200 reais fixos aos salários para diminuir a diferença salarial entre os cargos.

O Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas (Cruesp) ofereceu um aumento de 3,37%, mas sem os 200 reais fixos.

Sem mais artigos