Depois de cerveja colorida, a moda agora é cerveja que pisca! Ou melhor, que brilha! Uma empresa americana criou um glitter ecológico e comestível que está sendo usando por bares e cervejarias para criar cervejas brilhantes.

A Brew Glitter tem um catálogo com 20 tipos diferentes de glitter que variam em tamanho das partículas e cores. Segundo eles, os produtos podem ser usados além das cervejas e também para dar aquele toque especial em vinhos e cafés.

O ingrediente é aprovado pela FDA, agência de segurança alimentar dos Estados Unidos, e não faz mal ao organismo. A empresa diz que ele se dissolve e não é prejudicial nem ao corpo nem ao meio ambiente.

Cervejas mais caras do mundo

Cerveja com muita história. O arqueólogo Barry Kemp encontrou o túmulo da rainha Nefertiti, no Egito, nos anos 90. E, junto dele, haviam barris de cerveja que foram reutilizados na produção de mil garrafas da bebida em parceira com a cervejaria escocesa Jim Merrington. A primeira garrafa foi vendida por R$ 17,9 mil.
Esta cerveja australiana foi feita com água de um iceberg antártico. A cervejaria produziu apenas 30 garrafas. A primeira foi vendida por US$ 800 e a segunda por US$ 1815.
A cervejaria escocesa BrewDog lançou esta cerveja com 55% de teor alcoolico. São fabricadas com técnica em que a bebida é congelada e destilada várias vezes. As 12 garrafas exclusivas vem dentro de um animal empalhado e foram vendidas a US$ 765 cada.
Esta cerveja belga é fabricada artesanalmente na Abadia de St. Sixtus, desde 1838, para arcar com os custos do local. A produção é pequena e as garrafas são vendidas apenas na região. Por isso, uma garrafa já foi leiloada por US$ 625.
Esta cerveja australiana fica estocada em barris de carvalho por 12 meses antes de ser embalada. Ela tem o sabor mais puxado para o vinho e a cervejaria fez apenas quatro lotes com oito mil garrafas cada.
Com 10,5% de teor alcoólico, esta cerveja especial do grupo dinamarquês Carlsberg é feita em barris da marca com data de 1847. As edições anuais são vendidas, por uma média de US$ 350, apenas em restaurantes selecionados de Copenhagen e têm rótulos exclusivos pintados à mão por artistas locais.
Esta cerveja alemã tem 57,5% de teor alcoólico, considerado o mais alto do mundo. A cercejaria produziu apenas 36 garrafas e cada uma foi vendida a 200 euros.
Cerveja de outro mundo! Piadinhas de lado, cientistas do Japão e da Rússia se juntaram e mandaram sementes de cevada para o espaço, na Estação Espacial Internacional. Depois de cinco meses, elas foram trazidas de volta à Terra e a cervejaria japonesa Sapporo fermentou a bebida.
A cerveja belga faz sucesso no Brasil. A cervejaria produz apenas 15 mil garrafas por ano com bebida clara e efervescente.

Empresa lança glitter comestível para criar bebidas que brilham

Sem mais artigos