Em 1996 rolou a 1° Parada LGBT e desde então muita coisa mudou no universo gay. E você que tá aí no auge dos seus 19 aninhos não deve ter ideia de como era a cena gay 20 anos atrás, não é mesmo? Fica tranquila bee! O Virgula Lifestyle vai te deixar a par do que bombava naquela época. E olha minha gente, o negócio era on fire!

Os DJs Mauro Borges, Eduardo Corelli e Johnny Luxo conversaram com a gente e contaram todos os detalhes: quem eram os ícones gays, as divas da música, os bofes queridinhos do cinema, quais estilistas dominavam o mundo fashion e otras cositas más.

Se liga:

Mauro Borges  

Para o DJ Mauro Borges, as divas imbatíveis dos gays nos anos 90 sem dúvida é a Cher e a Madonna, que até hoje são vistas como ícone gay. “Além delas, quem se destacava também era a Kylie Minogue, Suede e Pet Shop Boys“, conta.

Em relação a moda, Mauro diz que o estilista Alexandre Herchcovitch já era o mais comentado e requisitado. “Reinaldo Lourenço e Gloria Coelho também faziam muito sucesso nessa época. E a Fórum era a marca mais popular”, afirma.

No cinema, quem fazia o coração dos gays bater mais forte era o Tom Cruise e Brad Pitt. E as musas inspiradoras eram Sharon Stone, Julia Roberts, Sandra Bullock e Demi Moore. Já na televisão brasileira quem dominava era Gloria Pires.

As drags mais bombadas nos anos 90 era a Silvetty Montilla junto com a Cindy Babado, Veronica e Marcia Pantera. Ainda falando em ícone gay, não tem como esquecer da Elke Maravilha e da Gretchen, que nessa época se tornou rainha do bumbum”, diz.

“Falando sobre música, eu acho que todos nessa época escutavam “I Will Survive” com a Diana Ross. Além de RuPaul que estava no auge”, conclui.

Mauro Borges

O DJ Mauro Borges / Crédito: arquivo pessoal


Eduardo Corelli

Para Eduardo, que há 20 anos atrás se apresentava com o alter ego Dj selma Self Service, a musa gay daquela época era sem sombra de dúvida Marcia Pantera.

“Hoje em dia ela ainda é diva. Considero a Marcia uma versão GLST da performer Josephine Baker. Ela tem um corpão de jogador de basquete. O show dela sempre será esplêndido”, afirma.

No quesito fashion, que segundo Eduardo é o mais importante pra ele, afinal é da moda que vem música, manifesto e atitude, muita coisa mudou dos anos 90 pra cá.

“Nos meninos, o que mudou foi a troca da camisa baby look ou overlock pelas polo ou xadrez. Nas meninas o look caminhão refresh dos anos 80 foi até os anos 90 meio grunge e hoje em dia elas aderiram a vestidos uber bandage bem curtos”, afirma.

Eduardo Corelli

Eduardo Crédito: arquivo pessoal


Johnny Luxo

“Uma das minhas musas há 20 anos era a Lady Miss Kier, vocalista da banda Deee Lite. Além dela, também tinha a Kylie Minogue, a Madonna, a Cher, Sylvester, Diana Ross Michael Jackson. Todos eles se tornaram grandes ícones pela música, pelo estilo e pelos vídeos que lançavam”, afirma.

Johnny acredita que a moda mudou bastante. Os gays de hoje (não todos, mas a grande maioria) ficaram todos iguais quando se trata de visual. Usam o mesmo cabelo, a mesma barba, mesma camisa polo, mesmo jeans e tem o mesmo corpo”, afirma.

“Os estilistas que se destacavam eram Jean Paul Gaultier, Helmut Lang e Alexandre Herchcovitch. Já no cinema os musos eram Kathleen Turner, Glenn Close, Johnny Deep, Uma Thurman, Keanu Reeves, Julia Roberts e Macaulay Culkin”, completa.

Joao Liechtenstein

Crédito: Reprodução

Quer saber mais dos ícones gays citados por eles? Dá uma olhada na galeria acima e se liga no que eles já aprontavam nos anos 90!

Sem mais artigos