Como justificativa para a criação do dia da verdade, Damasceno disse: “Uma sociedade só pode manter-se e desenvolver-se baseada em sólidos princípios de conduta ética, cujo pilar básico é a verdade. A história da própria humanidade é uma trajetória na busca da verdade”. A justificativa para a criação dos outros dias não fugiram muito disso.

Ele também queria proibir mudança de nome em casos de transexualismo e processar pessoas do mesmo sexo que se beijassem em público. Para a sorte de muitos, muitas das propostas de Damasceno foram arquivadas. Outras estão paradas na Câmara, sem data para serem votadas.

Saiba quem inventou o que:

– Colete a prova de balas para jornalista – Nice Lobão (PFL-MA)
– Suco de laranja como bebida oficial – Nelson Marquezelli (PTB-SP)
– Dia do Sono – Lincoln Portela (PL-MG)
– Leitura da Bíblia como matéria nas escolas – Maurício Rabelo (PL-TO)
– Troca de “estupro” por “assalto sexual” – Celso Russomanno (PP-SP)

Sem mais artigos