"Sem visto do espaço Schengen (área de livre circulação que envolve 13 países da União Européia), reservas de hotel, inscrição para participar do evento, dinheiro para custear a estada e carta-convite de um cidadão espanhol… Sem cumprir as normas, é impossível", completou a polícia da Espanha ao justificar a não entrada dos brasileiros no país.

A estudante brasileira Maíra Quagliato, que desembarcou na Espanha no final de 2007, mora hoje em Barcelona, e não passou por nenhuma situação parecida com a dos estudantes cariocas. Ela disse apenas ter estranhado a exigência do visto do espaço Schengen para os brasileiros. “O visto do espaço não é necessário para brasileiros, já que temos portas abertas, ou seja, não precisamos de visto para ficar três meses como turista”, disse ela ao Virgula.

No caso dela, a dupla cidadania (brasileira e italiana) facilitou a entrada no país. Mas na mesma semana em que os brasileiros foram barrados, duas colegas da estudante desembarcaram sem problemas em Barcelona, passando apenas pelo interrogatório rotineiro da imigração que questiona a finalidade, o tempo da viagem e onde o turista ficará hospedado. Agora, além disso, alguns aeroportos da Espanha perguntam também quanto dinheiro o turista traz, ponto que também prejudicou os estudantes cariocas, que segundo a polícia de Madri, levavam mais dinheiro do que o comum.

Outro documento que foi exigido dos brasileiros no aeroporto de Madri foi a carta-convite, criada pela Justiça espanhola em 2007. Com ela, um espanhol ou estrangeiro com residência legal na Espanha fica responsável pelo turista. Apresentando essa carta no aeroporto, é mais fácil entrar.

Continua: Brasileiros têm problemas antes de embarcar

Sem mais artigos