Ainda segundo a Folha de S.Paulo, o treinamento dado aos homens da Força Nacional de Segurança é insuficiente, já que os dez dias de treino – totalizando cem horas – são pouco para quem enfrenta situações de risco como eles. “Força especial deve funcionar como time de futebol. Basta um olhar para o outro policial saber o que ele quer. Isso é impossível em cem horas de treinamento”, diz um capitão.

Durante o treino, os homens têm aulas de direitos humanos, controle de distúrbios civis, policiamento ostensivo, gerenciamento de crise e técnicas de tiro, curso tido como irrelevantes por um outro capitão que não foi identificado.

Rio terá ajuda para conter violência

Sem mais artigos