The Weeknd ficou pistola, com razão

Daily Beast The Weeknd ficou pistola, com razão

O grupo de moda H & M pediu desculpas por um anúncio com uma criança negra modelando uma camisola com o slogan “macaco mais legal na selva” e disse que a havia removido de todo o seu marketing.

O anúncio foi amplamente criticado por ser racista, inclusive pela estrela do pop canadense The Weeknd, que colaborou com a H & M, o segundo maior grupo de roupas do mundo, em duas coleções em 2017.

Ele disse que não faria isso novamente depois de ver o anúncio. “Acordei esta manhã chocado e envergonhado por esta foto. Estou profundamente ofendido e não trabalharei mais com a @hm”, escreveu ele no Twitter

O grupo sueco H & M disse em uma declaração por e-mail que compreendia e concordava com a reação do The Weeknd à imagem.

Anúncio foi suspenso

Reprodução Anúncio foi suspenso

“Desculpe profundamente que a imagem tenha sido tirada, e também lamentamos a impressão real”, afirmou, acrescentando que agora examinaria suas práticas internas para evitar situações semelhantes no futuro.

LeBron James criticou empresa

Reprodução/TMZ LeBron James criticou empresa

Outras celebridades criticando o anúncio através das mídias sociais incluíram a estrela de rap dos EUA Diddy e a estrela de basquete LeBron James.

Personalidades negras que servem de inspiração na luta contra o racismo

O ator é uma brisa de diversidade racial no universo homogêneo da televisão.
O mesmo podemos dizer de Tais Araujo, esposa de Lázaro e líder de diversos movimentos de empoderamento feminino e racial na mídia.
Com letras e declarações, o rapper do Grajaú ganhou o grande público e é orgulho para a comunidade negra.
Acadêmica e feminista, Djamila fez parte da comissão de direitos humanos do ex-prefeito Fernando Haddad em São Paulo e é referência do feminismo negro.
Eliane é esposa de Mano Brown e líder da produtora Boggie Naipe, que cuida da carreira solo do marido e dos Racionais.
Mano Brown
Com o Metá Metá e a carreira solo, Juçara é uma das responsáveis por elucidar o público sobre as tradições e raízes das religiões de matriz africana.
Jonathan vive Sabiá em 'A Força do Querer' e óbvio, já foi vítima de racismo. O que não o impediu de seguir em frente com seu trabalho dentro e fora da TV.
Karol Conka ganhou a mídia com autoestima e afirmação
O rapper, criado pela mãe, tem história de vida semelhante a de muitos negros das periferias brasileiras. Retratando essa realidade nos discos, ele serve de referência.
A cantora é outra que ajuda a cultivar e divulgar o respeito pelas religiões de matriz africana com suas músicas.
A funkeira derruba os padrões diariamente para demonstrar que a mulher negra pode, sim, ocupar um espaço relevante.
A jovem adolescente impressiona com sua lucidez sobre temas como racismo e feminismo, empoderando os colegas e inspirando jovens negros.
O goleiro foi alvo de racismo no estádio do Grêmio, em Porto Alegre, em 2014 e não se calou. Ficou revoltado e fez questão de deixar isso claro, não aceitando o perdão dos responsáveis pelos atos criminosos e exigindo punições. Hoje, virou um símbolo da batalha contra racistas no futebol.

H&M pede desculpas por anúncio racista após críticas de The Weeknd e LeBron

Sem mais artigos