(Da redação) – A lei, que nos EUA foi aprovada em 1999, no Brasil tem previsão somente
para 2012. Os airbags frontais amenizam possíveis lesões graves, em caso de acidente,
tanto para o motorista como para o ocupante ao seu lado. A ferramenta de
proteção existe apenas em 10% dos automóveis vendidos no País.

Os consultores técnicos afirmam que o airbag não é obrigatório ainda por
uma questão cultural e acomodada pelas concessionárias. Eles ainda
explicam que o brasileiro prefere investir em equipamento sonoro, ao invés
da segurança do carro e que os custos, para as concessionárias
automotivas, seriam mínimos, caso a lei entrasse em vigor.

Sem mais artigos