EXAGERADO CIRCO VOADOR DIA 1

(Crédito: Pedro Carrilho)

Colaboração: Bruna Senos

A volta do Circo Voador ao Arpoador mostrou que nem só os bons filhos a casa tornam. Os rebeldes, barulhentos e cheios de atitude também aparecem de vez em quando para dar um abraço e um afago naqueles que sentiam sua falta. Trinta e três anos e seis meses após aterrissar pela primeira vez na Zona Sul do Rio, a lona voltou em edição especial, para um fim de semana de homenagens a Cazuza e aos 450 anos do Rio.

Abrindo a noite, Emílio Dantas, ator que interpreta Cazuza no musical Pro Dia Nascer Feliz, comandou um show com sucessos da carreira do homenageado, respeitando a maior parte de seus arranjos originais. Sim, um show de covers, portanto. Mas sem motivos para torcer o nariz: não foi qualquer show de covers, e isso é digno de crédito. Existe todo um contexto, afinal. Era uma noite de homenagem a um artista, repleta de fãs “orfãos” dele. Emílio tem carisma, e após se apresentar para mais de 200 mil pessoas com o musical sobre as canções de Cazuza, consegue se apropriar com alguma naturalidade de sua obra. Músicas como Exagerado, Pro Dia Nascer Feliz e Codinome Beija Flor fizeram parte da apresentação, que teve ainda Lucinha Araújo, mãe de Cazuza, na fila do gargarejo, assistindo empolgada.

Em seguida, foi a vez do Todos Envolvidos (aliás, parabéns a todos os envolvidos na escolha do nome) subir ao palco. Formada por Liminha, Dado Villa-Lobos, João Barone e Kassin, responsáveis pela elaboração do re-colour “Exagerado 3.0″, em uma homenagem à música de Cazuza. A banda conta ainda com Toni Platão nos vocais e apresentou uma seleção divertida de hits nacionais e internacionais. Os arranjos vigorosos, percebidos já na dobradinha instrumental de Wipe Out, do The Surfaris, e o tema de Peter Gunn, que abriu o show, se mantiveram pelo restante da noite

EXAGERADO CIRCO VOADOR DIA 1

(Crédito: Pedro Carrilho)

Diversão e Sonífera Ilha, dos Titãs, apareceram na sequência, com Toni Platão fazendo as vezes de frontman, posição que se manteve por quase todo o restante do show, em músicas como Ainda É Cedo, do Legião Urbana, Meu Erro, dos Paralamas do Sucesso, e Inútil, do Ultraje A Rigor, entre outras. As únicas exceções foram em Tempo Perdido e Geração Coca-Cola, quando Dado Villa-Lobos assumiu os vocais.

O show ainda teve espaço para uma versão roqueira de My Way, famosa na voz de Frank Sinatra, que apareceu quase no bis, e dois dos sucessos de Cazuza: Exagerado e O Tempo Não Pára, cantados na mesma noite pela segunda vez.

Veja em nossa galeria como foi essa gloriosa noite:

Sem mais artigos