(Da redação) – Foi inaugurado nesta quarta-feira a 65ª edição do Festival de Cinema de Veneza. O primeiro filme exibido foi a nova comédia dos Irmãos Cohen, estrelada por George Clooney e Brad Pitt.

A presença de ambos, inclusive, acabou desviando o foco dos jornalistas presentes ao evento. Em vez de se focarem no cinema, preferiram abordar detalhes da vida pessoal e assuntos relacionados ao noticiário de celebridades. Clooney reagiu de forma irônica às perguntas dirigidas a ele, que chegou até a dizer que se casaria e seria pai no dia de hoje. Pitt foi lacônico ao ser indagado sobre seus filhos e mais ríspido em outras respostas.

"Burn After Reading", o mais novo filme dos irmãos americanos não participa da competição e traz no elenco, além dos astros já citados, John Malkovitch e Tilda Swinton. O filme é descrito como uma obra que agrega humor negro, sarcasmo e violência. "Começamos a imaginar o filme a partir do elenco, Clooney, Pitt, Tilda e Malkovich,", revelaram, em coletiva de impernsa, os irmãos Coen.

O enredo é uma sátira ao mundo da espionagem, do culto ao corpo perfeito e da busca pela alma gêmea através da internet. Ethan e Joel Cohen conseguiram transforar os dois galãs em idiotas que seriam uma alegoria escrachada do americno comum

O festival

O diretor do Festival, Marco Müller, anunciou que a edição de 2008 será dedicada ao cineasta egípcio Youssef Chahine, falecido em 27 de julho passado. Seu filme "Bab el hadid" ("Cairo: Central Station", 1958) será projetado no dia 31.

O evento vai até o dia 6 de setembro, com a cerimônia de entrega de prêmios. Foram selecionados 52 filmes, dos quais 21 concorrem Leão de Ouro, o prêmio máximo do festival.

Dentre as obras mais aguardadas estão: "Rachel getting married" (comédia estrelada por Anne Hathaway) de Jonathan Demme e Akires to kame, de Takeshi Kitano.

O júri será presidido pelo diretor alemão Wim Wenders. Entre os jurados, estão a atriz italiana Valeria Golino, a diretora argentina Lucrecia Martel e o diretor chinês Johnnie To.
Um Leão de Ouro pelo conjunto da obra será concedido ao diretor italiano Ermanno Olmi, de 76 anos, autor de "A árvore dos tamancos" (1978) e "A profissão das armas" (2001).

O brasil no festival

O Brasil não tem representante concorrendo ao prêmio principal, mas fará presença por meio de várias atrações, como "Plastic city", de Yu Lik-wai, co-produção Brasil-China-Japão; "A erva do rato", de Julio Bressane e Rosa Dias, que será apresentado na Seção Horizontes; "Puisque nous sommes nés", de Jean-Pierre Duret e Andréa Santana, co-produção com a França e que será exibida na Horizontes Documentários; e "Do visível ao invisível", curta co-produzido com o mestre português Manoel de Oliveira.

O cineasta cult José Mojica Marins, o Zé do Caixão, também vai apresentar seu mais novo longa, "Encarnação do demônio", na mostra fora de competição.

Criado em 1932, o Festival de Veneza ficou anos no ostracismo, durante a Segunda Guerra Mundial, e já organizou várias de suas edições sem pôr filmes em competição.

Sem mais artigos