Um ícone mundial com mais de 60 anos de idade está prestes a ser implodido. A revista Playboy, cuja edição original norte-americana estreou em 1953, anunciou que a partir de 2016 será publicada seguindo um novo “detalhe”: não terá mais fotos de mulheres nuas.

Pois é. A Playboy se consagrou justamente por ser a pioneira no ramo. Desde 1953 nos EUA (e a partir de 1975 no Brasil), trazia em suas páginas ensaios fotográficos mostrando a nudez de atrizes, modelos, starlets, pin-ups, wannabes e afins. A capa de estreia em 53 trazia Marilyn Monroe.


Nas primeiras décadas, os ensaios eram bastante comportados e as mulheres mostravam curvas, pedaços da bunda, pernas e coxas. A partir dos anos 70, já se viam seios. E finalmente, em 1980, surge o nu frontal.

Mas agora tudo isso será passado. Segundo o site do jornal The New York Times, a decisão foi tomada após sugestão de Cory Jones, editor da Playboy norte-americana. Jones sugeriu para Hugh Hefner, o lendário fundador da revista, que a Playboy deixasse de exibir mulheres nuas.

O eterno bon-vivant Hefner, hoje com 89 anos, aceitou. Então a partir de março de 2016 a Playboy americana exibirá mulheres em poses insinuantes e provocantes, mas elas não estarão totalmente nuas e nem mostrarão tudo. Enfim, serão “ensaios sensuais“.

O motivo da mudança é o poder da internet. “Hoje você está a um clique de qualquer ato sexual que possa imaginar, e de graça”, comentou um executivo da revista. O New York Times refletiu: “Para toda uma geração de homens, ler a Playboy era um ritual, um ato ilícito cometido à luz do dia. Agora, qualquer adolescente tem um celular ligado na internet. Revistas pornográficas perderam seu valor de choque, seu valor comercial e seu valor cultural”.

A queda nas vendas da Playboy impressa é um fato. Em 1975, a revista vendeu mais de 5 milhões de exemplares. Em 2015, vendeu apenas 800 mil. Diante desse quadro irreversível, a Playboy fez sua escolha. Assim, a partir de março de 2016, os leitores da revista (na edição americana) terão ensaios sensuais e o restante continua igual (entrevistas, reportagens, etc.).

Tá bom. Mas… e a Playboy brasileira??? Será que vai seguir esse mesmo caminho?… Cri… Cri… Cri…

As Playboys mais caras da internet (e as mais baratas!)

Você pagaria R$1.200 por uma "Playboy"? Ou quem sabe R$10.000 se ganhasse um brinde?... | Créditos: Reprodução
No site Estante Virtual se encontra esta edição de dezembro de 1982, por preços como R$150, R$250, R$299, R$450, R$500, R$1.000 e R$1.500. O vendedor que cobra R$500 escreveu: "Dizem as más línguas que a própria Xuxa compra todas para queimar; se ela quiser queimar esta, fique à vontade desde que nos pague quinhentinhos!" | Créditos: Reprodução
Mas há quem cobre Dez Mil Reais! Explicação: o comprador leva para casa a Playboy de dezembro de 1982 e mais o (raríssimo) VHS do filme "Amor Estranho Amor" (1982), o tal filme que Xuxa tenta banir do universo | Créditos: Reprodução
A edição de agosto de 1982, com o primeiro ensaio de Vera nua, pode ser encontrada por R$50, R$90, R$150 e R$160 | Créditos: Reprodução
A ex-apresentadora infantil, hoje evangélica, pode ser adquirida por preços como R$75, R$100, R$150 | Créditos: Reprodução
Na capa, ela ainda assina Maria Cláudia - mas trata-se de Cláudia Raia, na edição de março de 1984. Custa R$100, mas tem gente pedindo R$1.200 pela revista! | Créditos: Reprodução
A ex-atriz continua mobilizando emoções. R$100 é o preço pela edição dupla (a revista-encarte traz a carreira de Lídia, além do ensaio de nudez) | Créditos: Reprodução
Na internet, esta edição de dezembro de 1994 custa R$15. Mas no Sebo do Messias, no Centro de SP, custa R$100... | Créditos: Reprodução
A edição de novembro de 1984 traz um antológico ensaio com Torloni, com fotos quase ginecológicas. R$100 é o preço, mas dá para achar por R$70 | Créditos: Reprodução
Mesmo caso de Simony. A revista de fevereiro de 1992 sai por R$25 na internet, mas em sebos pode custar R$100 | Créditos: Reprodução
Edição de dezembro de 1984, é encontrada por R$80, mas chega a custar R$99 | Créditos: Reprodução
O recatado ensaio de Betty (sem nu frontal) em agosto de 1978 vale R$60 | Créditos: Reprodução
A edição de Brunet de maio de 1983 sai por R$60 | Créditos: Reprodução
Novamente Torloni, na Playboy de março de 1983, por R$50 | Créditos: Reprodução
Começa aqui a lista das (surpreendentemente) Playboys baratas. A edição de agosto de 1995, com a comentada nudez de Adriane Galisteu, causou furor nos anos 90 e bateu recordes de vendas. Hoje, pode ser arrematada por R$4 | Créditos: Reprodução
O primeiro ensaio de Maitê, em fevereiro de 1987, também foi muito aguardado. Hoje, sai por R$7 | Créditos: Reprodução
Em março de 1999, a então onipresente Tiazinha (Suzana Alves) esgotou nas bancas. Hoje, sai por R$2,50 | Créditos: Reprodução
Companheira de Tiazinha na Band, a Feiticeira Joana Prado (edição de dezembro de 1999) hoje vale meros R$5 | Créditos: Reprodução
Outra nudez aguardada: Marisa Orth em agosto de 1997, no auge do sucesso de "Sai de Baixo". Preço atual: R$6 | Créditos: Reprodução
Chamariz de vendas nos anos 80, hoje Luma de Oliveira está mais acessível. Mas até que esta edição (setembro de 87) ainda vale bem: R$30 | Créditos: Reprodução
A edição de março de 1990 traz Luma na capa e Roberta Close no destaque - Roberta causou furor, pois era seu primeiro ensaio de nudez após ter feito a cirurgia de readequação sexual. Hoje pode ser encontrada por R$15 | Créditos: Reprodução
Edição de outubro de 87, tinha a modelo mais desejada da época, Magda Cotrofe. Hoje pode ser encontrada por R$30 | Créditos: Reprodução
Edição de setembro de 1984, trazia fotos de Sônia publicadas pela Playboy americana. O preço de agora: R$30 | Créditos: Reprodução
Em setembro de 85, Raia voltava à revista, desta vez já como Cláudia Raia. Preço atual: R$20 | Créditos: Reprodução
Ex de Jô Soares, Sílvia era a capa de abril de 1983, com as fotos do filme "Bar Esperança", onde ficava nua. Preço atual: R$20 | Créditos: Reprodução
Em março de 1991, Bruna posou num ensaio muito elogiado. Hoje sai por R$10 | Créditos: Reprodução
Em abril de 2000, Negrini estrelou ensaio inspirado no universo de Nelson Rodrigues. Hoje vale R$5 | Créditos: Reprodução
Mais um ensaio aguardado: Hortência, que posou em fevereiro de 1988. Tem quem cobre R$50, mas dá para achar por R$7 | Créditos: Reprodução
Playboy histórica, de janeiro de 85, com a famosa "cabeleira" de Ohana, o "penteado que chocou o Brasil". Essa edição não está à venda na internet | Créditos: Reprodução
Edição de dezembro de 1987, trazia Luciana Vendramini em seu primeiro ensaio para a revista. Alguém tem??? | Créditos: Reprodução
Para encerrar, Xuxa novamente. Na Globo ou na Record, dentro ou fora da mídia, Xuxa continua referência em tudo! | Créditos: Reprodução

Revista Playboy sem mulher pelada? Prepare-se, em 2016 será assim

Sem mais artigos
Sair da versão mobile