Show da banda Suricato na segunda noite do projeto Circo Voador - Exagerado 30 anos, no Arpoador.

Suricato (Crédito: Pedro Carrilho)

Colaboração: Bruna Senos

O segundo dia de retorno do Circo Voador ao Arpoador foi de agenda cheia e variada, lembrando que o espaço tem outras vocações além da música. Pela manhã, o local fez valer o seu nome e ofereceu uma oficina infantil de acrobacia circense, com exercícios de solo, malabares, colchões, arcos e claves, ministrada pela professora Amaralina Fagundes. Em paralelo, o espaço ofereceu ainda uma oficina de ritmos populares com grupo Quizomba!, ministrada por André Schmidt.

Mas foi só a noite cair que a música voltou a dominar às estruturas montadas na praia do Arpoador, com o fórum de ideias “Um palco, uma rádio, um festival: em cena o rock brasileiro e a representação da juventude dos anos 80″, com Maria Juçá, Luiz Antonio Mello e Jamari França, e a exibição do filme Imagens do Circo Voador, com trechos de shows memoráveis que aconteceram nos últimos 33 anos, com apresentações de Tim Maia, Paulinho da Viola, Jorge Ben Jor, entre muitos outros. Um verdadeiro baile da saudade.

A Dônica (aka a banda do filho caçula de Caetano, Tom Veloso) fez o primeiro show da noite, uma surpresa e tanto para os desavisados que não conheciam o burburinho que os garotos, com idades entre 17 e 18 anos, já vinham causando na cena independente. Com influências de Clube da Esquina e rock progressivo, como Pink Floyd, Supertramp, entre outros, e apadrinhada por Milton Nascimento, dá quase pra dizer que a a banda, como diria o meme, sente “saudade de algo o qual mal viveu ou evitava viver”.

José Ibarra (vocal e piano), Miguel “Miguima” Guimarães (baixo), André “Deco” Almeida (bateria), Lucas Nunes (guitarra) e Tom Veloso (responsável pelas composições, mas que não sobe ao palco), levaram ao Circo original uma atmosfera setentista interessante, que por vezes se dissipava em meio aos gritinhos de suas fãs adolescentes, com idades aproximadas entre 15 e 18 anos, que registravam com seus smartphones o show para seus snapchats e instagrans, e faziam lembrar que aqueles jovens músicos competentes ainda estão na escola. Além das músicas autorais, como Carrossel, Praga e Bicho Burro, a Dônica homenageou o jornalista, compositor e escritor Fernando Brant, falecido no dia anterior em decorrência de complicações após um transplante de fígado, com a música Ponta de Areia. “A gente não podia deixar de prestar essa homenagem”, avisou Ibarra, antes da canção.

Show da banda Dônica na segunda noite do projeto Circo Voador - Exagerado 30 anos, no Arpoador.

Dônica (Crédito: Pedro Carrilho)

Depois da Dônica, foi a vez do Suricato subir e se apresentar. Assim como seus antecessores no palco, Rodrigo Suricato (voz, guitarras, violões, ukulele, dobro), Gui Schwab (gaita, guitarras, violões, viola caipira, mandolim e outras cordas), Raphael Romano (baixo) e Pompeo Pelosi (bateria e percussão) não eram nem nascidos quando o Circo aterrizou pela primeira vez no Arpoador, mas já têm dois discos na bagagem. O grupo, que atraiu para a lona os fãs conquistados durante sua participação em um reality musical, em 2014, apresentou um repertório de canções autorais, como Pra Tudo Acontecer, Trem e Um Tanto, e releituras de sucessos da música nacional, como Um Certo Alguém, Tocando em Frente e mais uma homenagem a Cazuza, com uma versão de Pro Dia Nascer Feliz.

Show da banda Suricato na segunda noite do projeto Circo Voador - Exagerado 30 anos, no Arpoador.

Suricato (Crédito: Pedro Carrilho)

Depois do Suricato, Evandro Mesquita (voz, gaita, guitarra e violão) voltou ao Circo Voador com a nova formação da Blitz para relembrar aquele marcante ano de 82. Andréa Coutinho (voz), Giovanna Cursino (voz), Cláudia Niemeyer (baixo), Rogério Meanda (guitarra), Juba (bateria) e William “Billy” Forghieri (teclados) completam a banda, que perfilou hits como Você Não Soube Me Amar, Weekend e A Dois Passos do Paraíso, entre outros, em um show que lotou não só o picadeiro, como também os arredores da estrutura montada no Arpoador. Do lado de fora, centenas de fãs acompanhavam a divertida apresentação da Blitz pelo telão, com direito a banho de mar gelado na noite de temperaturas amenas que fazia no Rio.

Show da Blitz na segunda noite do projeto Circo Voador - Exagerado 30 anos, no Arpoador.

Blitz (Crédito: Pedro Carrilho)

Veja em nossa galeria como foi a segunda noite do Circo no Arpoador:

Sem mais artigos