Com quase 140 mil habitantes, a cidade fluminense de Maricá enfrentava uma carência típica de localidades no interior brasileiro: a falta de cinemas. Mas desde 2012, quando o Cineclube Henfil foi reativado pela atual administração e passou a ocupar instalações da Casa de Cultura, Maricá se orgulha de ter um espaço onde a comunidade pode se reunir para assistir na telona a destaques da sétima arte. As atividades do cineclube foram retomadas graças à criação de um Núcleo de Cinema na secretaria municipal de Cultura, e abriu seus trabalhos em grande estilo: durante dois meses foram exibidos filmes de Charles Chaplin, causando uma “revolução” na cidade, como lembra Zola Xavier da Silveira, subsecretário de Cultura: “A recepção por parte dos moradores foi fantástica. Nós estamos nas nuvens”, comemora.

De lá para cá, Maricá pode conferir filmes que não entram no circuito comercial e adequados a cada faixa etária presente no espaço. “Como ainda estamos formando novos espectadores, não exibimos filmes do circuito comercial nem os muito ‘cabeça’. Preferimos uma linha intermediária. Promovemos interação com escolas da região e, quando a plateia é composta por crianças, apostamos nas animações”, explica Zola. Para os adultos, o Cineclube Henfil também prepara programações especiais. Um exemplo recente disso foi a exibição de “Vinicius”, filme que serviu para comemorar os 100 anos de nascimento do “poetinha”, celebrados em outubro de 2013. Há ainda uma mostra anual de cinema francês e valorização da produção cinematográfica nacional, com obras como “Vidas Secas” e “O poeta das sete faces”, documentário sobre Carlos Drummond de Andrade.

Outra característica que torna o Cineclube de Maricá algo único são os cartazes usados para divulgar a programação. Todos eles são feitos à mão por Felipe Benicá, artista plástico local, que assiste previamente aos filmes e reproduz em desenhos sua visão dos mesmos.

O cineclube, no entanto, não se limita a exibir filmes. Com a ajuda de um jovem maricaense estudante de Cinema na Universidade Federal Fluminense, o espaço passou a oferecer uma oficina que aborda todas as fases da produção cinematográfica. Os seis garotos participantes irão concluir a oficina em novembro deste ano e produzirão um documentário. “Dos seis, quatro irão prestar o Enem para Cinema. Isso é uma satisfação enorme para nós”, entusiasma-se Zola.

A programação do Cineclube Henfil pode ser conferida AQUI.

Sem mais artigos