Estreia nesta sexta-feira (27/03) em São Paulo o espetáculo Chacrinha, o Musical, depois de uma bem-sucedida temporada de quatro meses no Rio de Janeiro.

Para quem não ligou o nome ao mito, Chacrinha foi Abelardo Barbosa (1917-1988), o maior comunicador do Brasil – radialista e depois apresentador de TV, reinou absoluto nas emissoras Tupi, Band e Globo, pilotando o programa de auditório mais bizarro e inacreditável que a TV brasileira já viu. E nunca foi substituído.

“A gente vê fragmentos do Chacrinha em um programa ou outro da TV atual, mas nenhum deles realmente substitui o Cassino do Chacrinha“, comentou o ator Stepan Nercessian durante coletiva de imprensa do musical na tarde de terça (24/03).

Stepan, 61 anos, interpreta Chacrinha (também conhecido como Velho Guerreiro) na fase consagrada, no 2º ato do espetáculo. O ator Léo Bahia, 23 anos, por sua vez, vive Chacrinha na juventude, no 1º ato.

Stepan disse que se inspirou no contato que teve com Chacrinha na vida real nos anos 70 e 80, sem porém tentar “imitar” o apresentador. Já Léo Bahia afirmou que não quis ver vídeos de Chacrinha no YouTube, mesmo porque ele interpreta o apresentador numa época muito distante dos registros de Chacrinha na TV.

O diretor da montagem (que tem texto de Rodrigo Nogueira e Pedro Bial) é Andrucha Waddington, estreando em teatro após 30 anos dirigindo cinema e TV. Andrucha ressaltou a complexidade da personalidade de Chacrinha, que era bipolar. “Todo mundo é bipolar, uns mais, outros menos”, disse Andrucha, explicando que Abelardo Barbosa foi uma figura controvertida, misturando o humor da TV com o drama de sua vida pessoal.

A montagem de Chacrinha encerra a trilogia teatral Uma Aventura Brasileira, produzida pela Aventura Entretenimento – produtora capitaneada pelo trio Aniela Jordan, Fernando Campos e Luiz Calainho. A trilogia teve como objetivo celebrar o Brasil em três focos: música, cinema e TV – todos ligados ao teatro.

Assim, o espetáculo inaugural foi Elis, a Musical (música, focalizando vida e carreira da cantora Elis Regina), seguido por Se Eu Fosse Você, o Musical (cinema, adaptando para o teatro os dois filmes da franquia Se Eu Fosse Você, inserindo músicas de Rita Lee), e agora Chacrinha, o Musical (TV, já que Chacrinha é até hoje um símbolo da televisão brasileira).

E a Aventura continuará sua proposta de montar musicais 100% brasileiros. Vem aí BarbarIdade, sobre a terceira idade (estrelado por Susana Vieira), Vamp, o Musical (isso mesmo, adaptando a novela da Globo de 1991), Garota de Ipanema (com músicas da Bossa Nova)…

E Chacrinha está totalmente inserido nessa proposta nacionalista: afinal, o comunicador acompanhou a música brasileira desde os anos 40 (como locutor de rádio) e a partir dos anos 60 (via TV), até morrer no final dos anos 80 – incluindo aí relação direta com a disco music nacional e o estouro do BRock – o rock brasileiro dos anos 80.

Essa miscelânea sonora fica evidente na abertura do 2º ato do espetáculo, quando o público é brindado com um pout-pourri musical num desfile de astros e estrelas que passaram pelo programa de Chacrinha: e surgem clones e covers de Rosana, Ritchie, Titãs, Ultraje a Rigor, Elba Ramalho, Gonzaguinha, Fábio Jr., Clara Nunes

Um detalhe pitoresco: no 2º ato, arquibancadas surgem no palco, e pessoas da plateia são convidadas a ocuparem esses lugares, participando assim do Cassino do Chacrinha de forma intensa.

Ainda, estão previstas no palco aparições-surpresa de artistas que se apresentaram no Chacrinha, revivendo aqueles momentos. A temporada no Rio teve por exemplo Xuxa, Erasmo Carlos e Sylvinho Blau Blau. Quem viver, verá e ouvirá!

Chacrinha, o Musical
27/03 a 26/07
Quinta 21h / Sexta 21h30 / Sábado 16h e 20h / Domingo 19h
Teatro Alfa – R. Bento Branco de Andrade Filho, 722 – Sto. Amaro
Duração: 2h15
R$50 a R$180

Sem mais artigos