O prédio de 1926, cravado em frente à Praça da Bandeira, no centro antigo de São Paulo, é uma estação de energia elétrica desativada. Nos últimos seis meses, o edifício de 2.150 m² passou por uma megarreforma que o preparou para receber gente sedenta por consumir e produzir arte. Na próxima sexta-feira (1º), o local será aberto ao público com o nome Red Bull Station, um centro de experimentação artística (de acesso gratuito, é bom dizer) que reunirá, sob o mesmo teto, produção de artes plásticas e música, exposições, shows, workshops, oficinas e outros baratos afins.
 
A reportagem do Virgula Diversão visitou o prédio na segunda-feira (28). Mesmo com o som de operários martelando as últimas marteladas da obra e o cheiro de solvente ainda no ar, foi possível ter uma ideia do que está por vir nos cinco andares do edifício. E é coisa grande. E é coisa boa.
 
O piso superior abrigará o projeto de residência artística da Red Bull, que já vinha sendo realizado em outros locais sob o título de House of Art. Nesse andar, seis artistas plásticos selecionados terão ateliês individuais em que criarão e desenvolverão seus projetos, no período de 50 dias. Os ateliês serão abertos a visitação, e o público poderá acompanhar o processo de desenvolvimento das obras, em vez de apenas vê-las prontas em exposição.
 
Paula Borghi, 27 anos, é responsável pela curadoria da primeira edição da House of Art no Red Bull Station, que acontece entre 31 de outubro e 21 de dezembro. Ela explicou: “Realizamos um edital, e selecionamos artistas experimentais, que tinham vontade de testar coisas novas e sair um pouco da linguagem com que estão acostumados. Queríamos pessoas dispostas ao risco”. Os escolhidos para a próxima residência vão desde um artista que reutiliza materiais encontrados na rua para produzir máquinas (o cara tem um guindaste de papelão que funciona de verdade) até uma cenógrafa que trabalha com feixes de luz.
 
A parte térrea do prédio receberá o espaço principal de exposições (que também servirá de sala de workshops e palco para shows, de acordo com o andamento da valsa), além de um estúdio de música equipado com mesa analógica de quarenta canais, três salas de som e microfones da década de 60.
 
Utilizando esse espaço, a Red Bull realizará o projeto de formação de músicos Bass Camp, um curso de imersão de quatro dias em que 20 músicos brasileiros (já selecionados) farão workshops com dois produtores gringos (o pessoal da Red Bull ainda não divulgou quem são).
 
Os shows de música acontecerão tanto no andar térreo quanto na cobertura do edifício (provavelmente o lugar mais bacana do Red Bull Station, o local do prédio que mais recebeu intervenções arquitetônicas contemporâneas).
 
Obras
O local do prédio que mais recebeu intervenções arquitetônicas contemporâneas, a laje da antiga estação de energia elétrica ganhou uma moderna marquise branca e uma nova escada de aço externa. De resto, a Triptyque, escritório de arquitetura responsável pela reforma e restauração do prédio, optou por conservar as características do espaço original, como as paredes com pintura descascada.
 
“Nossa intenção era potencializar a beleza do prédio e seu caráter industrial, requalificando-o para os dias de hoje. Readaptamos o edifício para aquilo que nós vemos como arte contemporânea. Esse prédio é lindo e tem muita história para contar”, explicou a arquiteta Carol Bueno.
 
“Tivemos de trabalhar as fachadas tombadas, o que envolveu toda uma pesquisa de materiais utilizados na época. Avaliamos o que era importante historicamente e o que fazia sentido guardar e restaurar. Foi um trabalho super minucioso. Foram seis meses muito intensos de reforma”, acrescentou.
Sem mais artigos