O Atlético-MG viu o sonho de conquistar o inédito título da Taça Libertadores ficar um pouco mais distante nesta quarta-feira (03) ao perder para o Newell’s Old Boys por 2 a 0 no estádio Marcelo Bielsa, em Rosário, no jogo de ida das semifinais.

Com o revés, o Galo precisará de sua força como mandante, condição na qual não perde há 51 partidas, com 41 vitórias. O time mineiro terá que vencer por 2 a 0 na Arena Independência, no bairro do Horto, em Belo Horizonte, para levar o confronto para os pênaltis ou por uma vantagem maior para se classificar diretamente.

O jogo em Rosário foi equilibrado no primeiro tempo, mas no segundo o Newell’s foi para cima e conseguiu os gols. Maxi Rodríguez marcou de cabeça, e Ignacio Scocco marcou de falta, tornando-se um dos artilheiros da competição, ao lado de dois adversários, e Diego Tardelli.

A equipe argentina quer ir à final da Libertadores pela terceira vez em sua história, depois de ter sido vice-campeão em 1988 e 1992. O classificado terá pela frente Olimpia ou Independiente Santa Fé. Na terça-feira (02), em Assunção, os paraguaios venceram também por 2 a 0.

Com os contratos de Gabriel Heinze, Santiago Vergini, Horacio Orzán e Ignacio Scocco renovados às pressas para a disputa da semifinal, o Newell’s teve equipe completa. No Galo, Cuca não pôde contar com sua dupla de zaga titular, formada por Réver, que está suspenso, e Leonardo Silva, machucado. Gilberto Silva e Rafael Marques ocuparam o setor.

Empurrado pela torcida, o time da casa começou o jogo em cima e logo aos quatro minutos do primeiro tempo deu trabalho a Victor. Cáceres passou como quis por Richarlyson e cruzou na medida para Maxi Rodríguez, que pegou de primeira para boa defesa do goleiro atleticano.

Tentando marcar forte, o Galo incomodou aos dez, quando Diego Tardelli desarmou Vergini na esquerda de ataque e levantou buscando Bernard. Guzmán saiu bem e segurou.

O lance, entretanto, foi isolado, e o Newell’s tinha o controle das ações e mais de 60% da posse de bola. Aos 25, Scocco foi levando como quis da esquerda para o meio e chutou no canto esquerdo. Victor se esticou todo e espalmou para o lado.

Retrato da pressão que os donos da casa exerciam era a postura de Bernard em campo. O meia-atacante atacava muito mais que defendia e escapou de ser expulso por bondade do árbitro aos 26, quando cometeu falta dura em Casco.

Victor trabalhou mais uma vez aos 37, novamente em tentativa de Scocco. O principal jogador da equipe argentina foi acionado com liberdade perto da meia-lua, mas chutou fraco e facilitou a vida do camisa 1 adversário.

A melhor chance de gol do Atlético na etapa inicial aconteceu pouco antes do intervalo, aos 41. Com a genialidade característica, Ronaldinho descolou lindo lançamento para Bernard, que ficou de frente para Guzmán, mas parou no goleiro ao tentar o drible.

Com menos de um minuto no segundo tempo, o Galo assustou mais uma vez. Bernard escapou pela direita e cruzou para Jô, que ajeitou para a chegada de Tardelli. O camisa 9 passou da bola e Ronaldinho aproveitou, mas bateu muito por cima.

Aos oito, a falta de talento de Guzmán com os pés quase comprometeu. O goleiro foi sair jogando e acertou as costas de Ronaldinho. Jô ficou com a sobra e tabelou com Marcos Rocha, mas finalizou mal.

Depois de alguns minutos de sufoco, a equipe anfitriã reagiu com chute de Maxi Rodríguez, aos 12. O ex-jogador do Liverpool foi lançado por Figueroa e mirou o cantinho esquerdo. Victor se esticou todo para salvar.

Cinco minutos depois, porém, não houve como o goleiro evitar que o adversário abrisse o placar. Após confusão na área, a bola ficou com o time argentino na direita. Maxi Rodríguez aproveitou levantamento da direita, apareceu por trás da zaga e cabeceou no canto esquerdo.

A vantagem não fez com que o Newell’s se acomodasse, e o segundo poderia ter acontecido aos 28. Maxi Rodriguéz dominou já dentro da área pela esquerda e parou em Victor. A sobra ainda foi do time da casa, mas Gilberto Silva e Rafael Marques salvaram o Galo de maneira incrível, em cima da linha.

A equipe mineira até conseguiu balançar a rede, mas o lance foi anulado. Ronaldinho cruzou da direita, Gilberto Silva cabeceou e Jô marcou no rebote, mas o atacante estava impedido.

A situação do Atlético se complicou aos 35, quando Gilberto cometeu falta na intermediária. Scocco cobrou com força no canto esquerdo e Victor não conseguiu a defesa.

Com a bola no pé, o Newell’s manteve o jogo sob controle e evitou correr riscos. O Galo teve apenas mais uma oportunidade de gol, aos 44, quando Luan cruzou. Bem marcado, Jô até cabeceou, mas para fora.

Ficha técnica:

Newell’s Old Boys: Guzmán; Cáceres, Vergini, Heinze e Casco; Mateo, Pérez (Cruzado), Bernardi, Figueroa (Tonso) e Maxi Rodríguez; Scocco (Urruti). Técnico: Gerardo Martino.

Atlético-MG: Victor; Marcos Rocha, Gilberto Silva, Rafael Marques e Richarlyson; Pierre, Josué, Bernard e Ronaldinho Gaúcho; Diego Tardelli (Luan) e Jô (Guilherme). Técnico: Cuca.

Árbitro: Enrique Osses (Chile), auxiliado por seus compatriotas Carlos Astroza e Sérgio Román.

Cartões amarelos: Maxi Rodríguez, Pérez e Casco (Newell’s); Bernard, Gilberto Silva e Luan (Atlético-MG).

Gols: Maxi Rodríguez e Scocco (Newell’s).

Estádio: Marcelo Bielsa, em Rosário (Argentina).

Sem mais artigos