O Bayern de Munique repetiu nesta quarta-feira (19) o feito da temporada passada ao vencer o Arsenal em Londres em jogo de ida pelas oitavas de final da Liga dos Campeões, desta vez por 2 a 0, e mostrar que se sente tão à vontade no Emirates Stadium como em sua própria casa, a Allianz Arena.

O excelente resultado deixa o atual campeão muito perto da classificação para as quartas, já que pode perder na partida de volta, na Alemanha, por até um gol de diferença. Um placar de 2 a 0 a favor do Arsenal levará o jogo para a prorrogação. O time inglês, para conseguir a vaga no tempo regulamentar em Munique, terá que vencer por três ou mais gols de vantagem, ou ainda se ganhar por dois de diferença, mas desde que marque no mínimo três vezes.

No ano passado, também no Emirates Stadium, o Bayern levou a melhor por 3 a 1. Na volta, os Gunners surpreenderam ao vencer por 2 a 0, ficando a um gol da classificação.

O jogo de hoje, que teve dois pênaltis perdidos, um para cada lado (com Mezut Özil e David Alaba), teve gols marcados pelo meia Toni Kroos aos 9 minutos do segundo tempo, em bela finalização da entrada da área, e por Thomas Müller, que saiu do banco para fechar o placar aos 42.

A vantagem da equipe alemã foi construída depois que o Arsenal ficou com um a menos em campo, graças à expulsão do goleiro Wojciech Szczesny no lance que originou a penalidade a favor do time alemão, aos 37 minutos do primeiro tempo.

Para a partida desta quarta, Arsène Wenger e Josep Guardiola trouxeram novidades nas suas equipes. O comandante francês do Arsenal optou por escalar Wilshere e Sanogo nos lugares de Podolski e Giroud, deslocando Cazorla para o lado esquerdo.

Já o treinador do Bayern promoveu alterações mais radicais na forma do seu time jogar, reconduzindo Philipp Lahm para a lateral direita e colocando Javi Martínez na cabeça de área. Com isso, Rafinha foi para o banco de reservas.

Como era de se esperar, o jogo já começou a mil por hora, com as procura frenética pelo gol. Aos 3 minutos, Robben deu trabalho a Szczesny pela primeira vez. Quatro minutos depois foi a vez de Neuer aparecer, em grande defesa após finalização de Sanogo, feita após troca de passes insinuante dos Gunners.

O time da casa se empolgou, e aos 8, Cazorla ameaçou o goleiro alemão, que fez intervenção segura. Logo em seguida, após contra-ataque, Özil recebeu em posição duvidosa, invadiu a área e foi derrubado por Boateng. O árbitro italiano Nicola Rizzoli marcou pênalti, que o próprio meia alemão do Arsenal cobrou, mal, diga-se de passagem, parando na defesa de Neuer.

Depois de início intenso, o ritmo das duas equipes diminuiu, até pela maior preocupação defensiva no jogo. Emoção apenas aos 23 minutos, quando, após um lançamento longo, Oxlade-Chamberlain disparou pela direita, ganhou de Alaba na corrida, mas não conseguiu ganhar do goleiro do Bayern na dividida, já na entrada da área.

O time inglês, que ficou muito perto de marcar com um pênalti sofreu duro golpe aos 37, quando Kroos acionou Robben na área, e o holandês foi derrubado por Szczesny. O árbitro não só marcou pênalti, como expulsou o goleiro polonês. Wenger precisou então tirar o meia Cazorla para colocar o reserva Fabianski.

Estreando na competição, o também polonês contou com a erro de Alaba, que o deslocou na cobrança da penalidade, mas acabou acertando a trave direita do Arsenal.

Para a segunda etapa, Guardiola apostou em Rafinha no lugar de Boateng. Com isso, Javi Martínez passou para a zaga e Lahm para o meio. Wenger, que queimou a troca do goleiro e ainda foi forçado a trocar de lateral esquerdo, com o lesionado Gibbs saindo para entrada de Monreal, não mexeu no intervalo.

As mexidas do Bayern logo se mostraram certeiras, já que aos 9 minutos, após trama iniciada por Robben, que contou com participação de Lahm, terminasse com bela finalização de Kroos, que acertou o ângulo esquerdo de Fabianski para abrir o placar.

Dominando completamente a partida, Guardiola tentou mexer no time, primeiro com Müller no lugar de Mandzukic. Passados 15 minutos, o técnico decidiu voltar a utilizar um centroavante de ofício, colocando Pizarro no lugar de Thiago.

No finzinho da partida, o Bayern conseguiu chegar ao tão desejado segundo gol, quando Müller marcou de cabeça, com leve toque na saída de Fabianski, após linda assistência de Lahm, que encontrou o companheiro dentro da área.

Sem mais artigos