Contratado nesta janela de transferências, o uruguaio Edinson Cavani chega no Paris Saint-Germain com a pompa de ser o maior artilheiro do último Campeonato Italiano, com 29 gols pelo Napoli. Agora, jogará ao lado de Zlatan Ibrahimovic (maior goleador do último campeonato francês) e, para o ex-diretor de futebol do clube, Leonardo, os dois formarão o melhor ataque do futebol mundial. A notícia é do jornal francês Le Parisien desta segunda-feira (05).

“Tendo artilheiro do mesmo time na Série A, Cavani, e o artilheiro da Ligue 1, Ibrahimovic, é incrível, especialmente quando em torno deles há jogadores como Lucas, Pastore, Ménez e Lavezzi. O PSG tem o melhor ataque do mundo com estes seis elementos lá e acho que Cavani e Ibrahimovic se completam”, proferiu o ex-dirigente,

O tetracampeão ainda lembra que é o responsável pela união dos dois renomados atletas.

“Foi minha ideia reuni-los em Paris, e eu tive que insistir para que isso acontecesse”, disse.

Sobre o Monaco, time que desponta no cenário europeu com contratações caríssimas – como do atacante Radamel Falcao – Leonardo ainda crê que o novo rico do continente ainda deve demorar um pouco para conseguir títulos, mas que brigará no topo do próximo certame nacional.

“Não será fácil para o Monaco, que acabou de ser promovido à Ligue 1. Mas com os jogadores que contratou, tudo é possível! Ao ver os amistosos que eles disputaram, vê-se que estão em um nível muito bom. O Monaco será um sério concorrente com o Lyon e o Olympique, mas esses dois tem a vantagem de já estarem juntos há mais tempo”, opinou.

A suspensão de um ano ao qual foi castigado por ter empurrado um árbitro por não aceitar uma de suas decisões ainda não foi engolida. Foi por causa desta questão que Leonardo se demitiu do PSG, no início do mês passado, e falou mais sobre a questão.

“Essa suspensão que recebi foi muito difícil de aceitar. Acho que foi injusto. Era impossível continuar fazendo o meu trabalho em Paris porque a suspensão não me permitiria fazê-lo 100%. O que eles (membros da Comissão Disciplinar) me fizeram foi muito injusto. Fui o principal responsável pelo projeto do PSG, estava muito envolvido com os jogadores”, contou.

Sem mais artigos