No último fim de semana, a assistência de Rogério Ceni para o gol de Rivaldo no fim do duelo ante o Botafogo chamou muita a atenção. No entanto, o passe para gol do arqueiro não é uma novidade.

O goleiro já havia dado algumas assistências pelo clube antes. Em 2000, ante a Ponte Preta, Rogério Ceni fez um cruzamento para Gustavo Nery marcar o gol de cabeça no empate por 3 a 3.

No entanto, de acordo com o site oficial do São Paulo, esses passes para gol também já vieram de reposições de bola. Grafite e Amoroso, ambos em 2005, e Éder Luiz, em 2007, foram os agraciados.

Em todas as ocasiões de assistências vindas de reposição de bola, o São Paulo saiu vencedor. Quando Grafite marcou a vítima foi o Marília, já Amoroso teve como adversário o Vasco, e Éder Luiz o Flamengo.

Em outras duas oportunidades, Rogério Ceni ainda deu assistência em faltas ensaiadas. Nas cobranças, Danilo, em 2006 contra o Juventude, e Jorge Wágner, em 2007 ante o Atlético-PR.

Sem mais artigos