Eusébio da Silva Ferreira, considerado em Portugal o melhor jogador de futebol de todos os tempos, morreu neste domingo (05) aos 71 anos devido a uma parada cardiorrespiratória, informou o Benfica, clube do qual foi jogador.

Conhecido como “Pantera Negra”, o jogador tinha sofrido diversos problemas de saúde desde 2012, quando foi hospitalizado por causa de um derrame cerebral enquanto acompanhava a seleção portuguesa na Eurocopa, na Polônia.

Nascido em 1942 na antiga colônia portuguesa de Moçambique, Eusébio se tornou o maior símbolo do futebol português, com o qual conquistou o maior sucesso de sua seleção, o terceiro lugar na Copa do Mundo da Inglaterra, em 1966, no qual foi o artilheiro, com 9 gols.

Em Portugal começou sua trajetória no Benfica, onde foi contratado em 1960 e para o qual jogou no time principal desde os 19 anos.

Ao longo de sua carreira, ganhou 12 Campeonatos Portugueses, cinco Copas de Portugal e a Copa dos Campeões Europeus na temporada 1961-1962, na qual o clube português derrotou por 5 a 3 o Real Madrid de Di Stéfano, Puskás e Gento na final em Amsterdã.

Também foi premiado com a Bola de Ouro concedida pela revista francesa France Football em 1965, e ficou em segunda lugar na votação final em outras duas ocasiões (1962 e 1966).

Desde sua aposentadoria, participou de vários atos públicos, seguiu como representante e símbolo do Benfica e embaixador da seleção em seus torneios no exterior.

Cristiano Ronaldo, Figo e Mourinho lamentam morte de Eusébio

As maiores personalidades atuais do futebol de Portugal lamentaram a morte de Eusébio. No Twitter, Cristiano Ronaldo e Luís Figo postaram fotos ao lado do “Pantera Negra”.

“Sempre eterno. #Eusebio, descanse em paz”, disse Cristiano Ronaldo na rede social, enquanto Figo postou: “O Rei. Grande perda para todos nós. O maior”.

Já o técnico José Mourinho, em entrevista à rede de televisão RTP, classificou Eusébio como “imortal” e “uma das grandes figuras de Portugal”.

“Eusébio e Amália (Rodrigues, fadista) são grandes senhores de Portugal, continuo a vê-los nessa perspetiva. Acho que são imortais, todos sabemos o que ele significa para o futebol e, em especial, para o futebol português”, declarou.

Para o treinador do Chelsea, Eusebio foi “uma referência importante por sua visão do futebol, seus valores, seus princípios, suas emoções ao longo de toda a sua carreira”.

“Foi uma referência importante, naquilo que foi no futebol, em valores, princípios e sentimentos mesmo depois de terminar sua carreira. Era de uma geração diferente, mas se quiséssemos estabelecer um paralelo com o futebol de hoje, estaria à altura dos melhores. Se tivesse agora 20 ou 30 anos, teria tido um nível assombroso”, disse Mourinho.

Luto no país

O governo de Portugal declarou neste domingo três dias de luto nacional pela morte de Eusébio, maior nome da história do futebol do país e que será enterrado na próxima terça-feira (07) em Lisboa.

O primeiro-ministro de Portugal, Pedro Passos Coelho, enviou pêsames à família do ex-jogador e ao Benfica, clube pelo qual Eusébio se consagrou, e o lembrou como “um gênio do futebol” e “um exemplo de profissionalismo, de determinação”.

A Federação Portuguesa de Futebol anunciou homenagens e declarou um minuto de silêncio nos próximos jogos em homenagem ao ex-atacante, um “eterno símbolo” e um “rei” que teve o auge de sua carreira nos anos 60.

Nascido em 1942 em Maputo, capital da antiga colônia portuguesa de Moçambique, Eusébio recebeu a Bola de Ouro em 1965 e levou a seleção de seu país ao terceiro lugar na Copa do Mundo de 1966.

Segundo fontes do Benfica, o corpo do ex-jogador será levado hoje ao Estádio da Luz para ser velado por dois dias.

Sem mais artigos