<br>
Marcelo Vilar desenvolvia desde 2005 um trabalho interessante na equipe B do Palmeiras. Após 2 acessos seguidos, que levaram o time a Série A2 do Paulista. O treinador recebeu uma chance inusitada em 2006 após a saída de Tite, ao assumir a equipe principal do Palmeiras. E ele não decepcionou, foi bem, venceu até o campeão São Paulo, mas deixou o clube no final da temporada.

Chegando ao Palmeiras, Caio Jr. fez diversas críticas à equipe B e promoveu uma reformulação no setor (permitindo apenas jogadores com menos de 21 anos). Vilar viu seu trabalho ser desfeito. “Minha crítica, foi na verdade uma resposta ao Caio Jr, que falou que o trabalho na base do Palmeiras estava sendo mal feito", contou o treinador.

Vilar afirma que o trabalho de 2006 teve muitos méritos, por isso ficou irritado com as críticas de Caio Júnior. "Como foi mal feito se conseguimos 2 acessos com o time B, e revelamos 10 jogadores que foram utilizados na equipe principal. Entre eles, nomes como o David, Wendel, Francis”, respondeu em entrevista exclusiva concedida ao <b>Virgula</b> por telefone direto de Caruaru-PE.

Mas Vilar não quer falar de Palmeiras, e sim do seu novo clube, o Central de Caruaru. “Estou há 40 dias aqui. Antes estava fora do mercado, pois no final do ano estava tudo certo para eu ir para uma equipe do futebol russo. Mas acabou não dando certo e eu fiquei fora do mercado”, explicou.

Sobre o duelo de hoje com o Palmeiras em partida válida pela segunda fase da Copa do Brasil, o treinador espera o óbvio. “Será um jogo dificil. Afinal encaramos um time recheado de craques e que vem, ao longo da temporada, numa grande ascensão”, argumentou.

Mesmo enfrentando uma das melhores equipes do Brasil, Vilar afirma que seu time não irá modificiar seu estilo de jogo.“Não vamos alterar nosso jeito de jogar, estamos em casa. Então mesmo com a grande qualidade do Palmeiras, vamos tentar imprimir um jogo de marcação forte e muita velocidade.”

Quando questionado sobre qual jogador da sua equipe mereceria atenção especial do técnico palmeirense, Vanderlei Luxemburgo. O comandante do Central foi enfático: “Não gosto de destacar nenhum jogador individualmente. Temos um conjunto muito forte”.

Para o treinador da equipe pernambucana, não haverá marcação especial em cima de Valdivia. “Não vai resolver marcá-lo invidualmente. O lado que ele cair em campo, alguém vai encostar nele. Pois se destacar alguém para marcação especial, vai sobrar espaço para jogadores como Kléber, Léo Lima, Diego Souza, Alex Mineiro e Denílson. E isso seria um erro mortal”, encerrou.

Sem mais artigos