<br>
Entra ano e sai ano, o início é quase sempre igual. Alguns times mantém a base e anunciam alguns reforços de expressão para reforçar a equipe. Outros, a maioria, preferem um pacotão (como o Corinthians e seus 14 novos contratados) para mudar tudo e melhorar a , geralmente, má campanha do ano anterior. Seja qual for o caso, o fato é que o futebol deste começo de 2008 mostra que teremos mais do mesmo.

Para o jornalista Juca Kfouri, o panorama é o de sempre, com os times tentando se entrosar. Porém este ano trás algumas boas surpresas. “Este ano nosso futebol sobreviveu, trouxeram alguns bons jogadores do exterior, e o cenário se alterou. Parece que será um pouco melhor, mais emocionante que o ano passado.”

Mesmo com essa nova perspectiva, não devemos nos empolgar. Ainda veremos muitas caneladas, passes errados e gols feitos perdidos. “O futebol brasileiro é de terceira divisão, já que a primeira e segunda estão na Europa”, lembra Juca.

Carlos Alberto Torres, o <i>Capita</i>, também não está muito empolgado com o que viu. Para o ex-lateral-dreito da seleção, o ano não promete uma guinada no estilo e qualidade do futebol praticado em nossa terra. “Os clubes não conseguem segurar o bom jogador por muito tempo. O craque sai cedo. Os que ficam são jogadores médios. Os que mostram bom futebol e potencial saem logo, o que faz com que a qualidade do futebol daqui caia.”

Mesmo com todos os problemas, o futebol nacional ainda empolga o torcedor. Mas não devemos nos enganar. Se tivéssemos dirigentes competentes, uma CBF que realmente pensasse no jogo praticado aqui e não só na seleção brasileira e uma administração séria das finanças dos clubes, o esporte canarinho poderia ser o melhor do mundo. E não ter apenas os melhores jogadores.

PENSE MELHOR
<a target=_blank href=http://www.virgula.com.br/esporte/novo/nota.php?ID=23384>Sumiram os armadores? Camisa 10 hoje é dos atacantes

Sem mais artigos