Depois de 16 anos e um dia, o Grêmio voltou a vencer um rival brasileiro fora de casa na Taça Libertadores, ao derrotar nesta quarta-feira, o Fluminense, no Engenhão, por 3 a 0, fazendo a equipe gaúcha se recuperar na competição.

Hernán Barcos, André Santos e Eduardo Vargas, três jogadores contratados pouco antes do início do torneio, fizeram os gols da vitória do time gaúcho, que havia perdido na estreia, jogando em casa, para o Huachipato.

A última vez que o Grêmio havia vencido como visitante na competição continental foi em 1997, na primeira rodada da fase de grupos, contra o Cruzeiro, por 2 a 1. Desde então, eram seis jogos e seis derrotas acumuladas.

Com o resultado do jogo do Engenhão, e a vitória do Caracas sobre o Huachipato, por 3 a 1, no Chile, as quatro equipes do grupo 8 estão com três pontos ganhos. O Grêmio, no entanto, lidera no saldo de gols, seguido pelo Caracas. O Fluminense é o lanterna da chave.

Na escalação de hoje, o técnico Abel Braga surpreendeu, deixando Deco e Thiago Neves no banco de reservas. Os dois eram considerados nomes certos para o onze inicial do time carioca. Em seus lugares, o comandante resolveu utilizar Wagner na armação e Rafael Sóbis aberto, fazendo companhia a Wellington Nem e Fred no ataque.

Com isso, o Fluminense entrou em campo com a mesma equipe que estreou na competição, vencendo o Caracas, da Venezuela, por 1 a 0, fora de casa, na última quarta-feira.

Vanderlei Luxemburgo, por sua vez, voltou a utilizar o quarteto de meio-campo que se destacou no Brasileirão do ano passado, com Fernando, Souza, Elano e Zé Roberto, deixando o recém-contratado Adriano, ex-Santos, que jogou contra o Huachipato, no banco.

Outro reforço recente do time gaúcho, o atacante argentino Hernán Barcos começou entre os titulares, mesmo tendo se apresentado no Rio de Janeiro depois do restante da delegação gremista. O artilheiro estava em seu país de origem por causa de um problema familiar.

Quando a bola rolou, o equilíbrio esperado apareceu. Fortes no meio-campo, as duas equipes apostaram na marcação cerrada e na troca de passes paciente, nos momentos em que conseguiam retomar a posse de bola. O respeito mútuo fez com que, nos 10 primeiros minutos de duelo, não houvesse nenhuma finalização.

A primeira boa chegada foi do Tricolor das Laranjeiras. Em falta cobrada da esquerda por Wagner, Rafael Sóbis até conseguiu desviar, mas André Santos apareceu de maneira crucial para travar a finalização de Bruno, que surgia com liberdade na entrada da área.

Se o jogo não chegava a ter temperatura alta, os ânimos dos jogadores se mostraram quentes, logo aos 15 minutos, quando Wellington Nem caiu após disputar jogada com Cris. O veterano zagueiro deu uma “dura” no jovem atacante e vários jogadores das duas equipes acabaram discutindo.

A partir daí, o Grêmio passou a ser mais perigoso do que o Fluminense, apostando principalmente nas jogadas pelos lados do campo. Aos 32, após o time gaúcho arrumou um escanteio na esquerda. Elano cobrou bem, Barcos subiu com a defesa e seu marcador, Bruno, acabou desviando contra suas próprias redes. O árbitro Paulo César de Oliveira, no entanto, considerou que o gol foi do argentino.

O time carioca até tentou reagir, mas foi o Grêmio que ficou perto de ampliar ainda na primeira etapa, com André Santos, que aos 40 minutos, entrou livre pelo lado esquerdo do campo, e bateu cruzado, à direita do gol do Flu.

Na segunda etapa, o Tricolor das Laranjeiras voltou com Deco no lugar de Wagner. Desde o momento que a bola rolou, o português de origem brasileira se tornou figura principal do jogo, já que o Fluminense veio para o jogo, dominando o Grêmio.

O camisa 20, no entanto, só pôde assistir quando, aos 9 minutos, Vargas fez jogada pela direita, lançou Barcos, que finalizou para a defesa de Diego Cavalieri. No rebote, André Santos, em posição irregular só precisou empurrar a bola para as redes, fazendo o segundo gremista.

Perdendo o jogo, Abel Braga foi para o tudo ou nada, lançando Thiago Neves e Samuel nos lugares de Wellington Nem e Rafael Sóbis. Ainda assim, a superioridade do Tricolor do Rio Grande do Sul seguiu dando a tônica da partida. Aos 21 minutos, Zé Roberto recebeu na entrada da área e bateu com categoria, obrigando Diego Cavalieri a fazer grande defesa.

Mais dois minutos se passaram, e desta vez o Grêmio não desperdiçou sua chance de gol. No contra-ataque, Barcos deu passe preciso para Vargas, que invadiu a área, impediu a chegada da zaga e bateu cruzado, sem dar chances para a defesa do goleiro rival.

Os minutos finais foram de um Fluminense entregue, sem nenhuma força para descontar o placar. O Grêmio, que ainda teve as entradas de Adriano, Marco Antônio e Wellinton nos lugares de Souza, Elano e Vargas, conseguiu tocar a bola com tranquilidade, para vencer com a vantagem de três gols, que valeu a liderança do grupo 8.

Grêmio bate Flu, se recupera e quebra jejum como visitante na Libertadores

Sem mais artigos