Menos de um mês após sua entrega, o reformado Estádio do Beira-Rio já apresentou sua primeira falha, que por sinal terá que ser corrigida às pressas pela construtora responsável pelas obras no local. Segundo a edição desta quinta-feira (06) do jornal gaúcho Zero Hora, a nova casa do Internacional tem um setor dedicado a cadeirantes, que também é utilizado por torcedores com deficiência visual e obeso, que não possui cobertura, deixando assim o torcedor que frequentar o espaço sujeito a fortes chuvas ou sol muito quente.

Ciente do problema estrutural, o Internacional já admitiu que ainda nesta quinta-feira (06) iniciará as obras para cobrir o setor que apresentou as falhas. José Amarante, vice-presidente de administração do clube, disse que é uma ‘vergonha’ um erro desse tipo em um projeto de estádio para a Copa do Mundo.

De acordo com o Internacional, dentro de 20 dias o anel superior do novo Beira-Rio já possa receber torcedores com deficiência. Além do espaço reservado para 45 lugares especiais, o estádio também possui boxes adaptados nos banheiros do pavimento,

As denúncias de problemas estruturais surgiram através de entidades ligadas a cadeirante do Rio Grande do Sul, que protestaram afirmando sentirem-se discriminados das demais áreas das arquibancadas do novo estádio. Segundo a legislação nacional de acessibilidade, as pessoas com deficiência devem ser distribuídas em diversos locais dos recintos, e não concentrados em um ponto separado. Há 58 lugares nesta condição, que serão mantidos.

Sem mais artigos