Longe de brilhar como na campanha do título da Taça Libertadores deste ano, o Atlético-MG foi derrotado pelo Raja Casablanca por 3 a 1 nesta quarta-feira (18) e viu o sonho de ser campeão mundial cair por terra no Estádio de Marrakech, no Marrocos.

Nervoso e errando muito tanto na defesa quanto no ataque, o Galo saiu em desvantagem no placar com gol de Iajour, logo no começo do segundo tempo. Ronaldinho Gaúcho ainda empatou batendo falta, mas Moutaouali desempatou em cobrança de pênalti. No último minuto, Coulibaly ainda marcou o terceiro.

O Galo se torna assim o segundo time brasileiro a cair nas semifinais do Mundial de Clubes, repetindo o “feito” do Internacional em 2010. O Raja, por sua vez, é o segundo africano na decisão, sucedendo o TP Mazembe, da República Democrática do Congo, que há três anos derrubou o Colorado e perdeu para a Internazionale.

Além disso, o campeão marroquino quebra dois jejuns ao se tornar o primeiro anfitrião finalista e a primeira equipe a vencer três partidas antes da decisão. Os donos da casa já haviam derrubado o Auckland City, da Nova Zelândia, e o Monterrey, do México, ambos pelo placar de 2 a 1.

Ao Atlético, resta tentar bater o Guangzhou Evergrande, de Conca, Muriqui e Elkeson, no próximo sábado e ser terceiro colocado. No mesmo dia, o Bayern de Munique, que eliminou o campeão asiático com um triunfo por 3 a 0, decidirá o título com o Raja.

O técnico Cuca conta com equipe completa no Mundial, e havia apenas uma dúvida para a estreia, quem seria o titular da lateral esquerda. Volante de origem, o jovem Lucas Cândido foi o escolhido. As outras mudanças em relação à campanha vitoriosa na Taça Libertadores foram as saídas do volante Leandro Donizete, que perdeu a posição para Josué, e do meia Bernard, que foi negociado com o Shakhtar Donetsk e substituído por Fernandinho.

No Raja, o técnico tunisiano Nabil Maaloul repetiu a escalação das duas primeiras partidas, em que os donos da casa venceram Auckland e Monterrey, sendo que o representante da Concacaf caiu na prorrogação.

“Pilhado”, o Atlético marcava a saída de bola do adversário, mas não conseguia se impor. Aos seis minutos do primeiro tempo, Marcos Rocha roubou a bola na meia direita, adiantou e encheu o pé de fora da área, levando perigo.

O campeão marroquino não demorou a incomodar. Aos 12 minutos, Karrouchy bateu escanteio da esquerda, Chitibi se antecipou na primeira trave e cabeceou por cima.

A melhor chance do Galo na primeira etapa aconteceu aos 21, quando Fernandinho arrancou pela meia esquerda e adiantou para Lucas Cândido, que cruzou rasteiro para o meio. Mesmo desequilibrado, completou a centímetros da trave direita.

Embora não tivesse o controle do duelo, o time mineiro ao menos finalizava mais. Aos 32 minutos, Marcos Rocha levantou da direita, Ronaldinho não alcançou, e a sobra ficou com Fernandinho, que escorregou, mas mesmo assim bateu e tirou tinta da trave esquerda.

Na sequência, porém, o Atlético escapou por muito pouco de levar o primeiro gol em duas jogadas seguidas, ambas em finalizações de Moutaouali, considerado o craque do Raja. Aos 35, o meia pegou de primeira depois de cruzamento de Karrouchy, e Victor operou um milagre. Quatro minutos depois, o camisa 5 aproveitou um buraco na esquerda de defesa, chutou cruzado perigosamente à direita da meta.

Passado o sufoco, o Galo enfim fez o goleiro adversário trabalhar, aos 43 minutos. Ronaldinho descolou ótimo passe na área para Jô, que finalizou rasteiro. Askri se abaixou e defendeu firme.

A tensão do torcedor do Atlético, que já era grande no intervalo, aumentou aos cinco minutos da etapa final. Em mais um cochilo da zaga, Iajour saiu na cara de Victor e tocou no canto direito na saída do goleiro.

A desvantagem no placar deixou os jogadores da equipe mineira muito nervosos e errando demais. Aos 12 minutos, Tardelli pegou sobra na entrada da área e chutou por cima.

Com tantos erros coletivos, foi preciso então que aparecesse o talento individual do jogador mais consagrado desta edição do Mundial. Fernandinho sofreu falta a um passo da área pela esquerda, Ronaldinho cobrou com efeito incrível e deixou tudo igual, aos 17. A bola ainda tocou na trave antes de entrar.

Um pouco mais tranquilo, o Atlético voltou a colocar a bola no chão e construir boas jogadas, mas faltava uma grande finalização. Aos 28 minutos, Luan chutou cruzado e, após desvio na zaga, Jô cabeceou sem muita força e facilitou o trabalho de Askri, que segurou.

Apesar de ficar mais tempo na defesa, o Raja mostrava que não estava morto no confronto. Aos 34, em mais um contragolpe, Iajour foi lançado na frente, cortou da direita para a esquerda e arrematou para fora.

E aos 38 Réver falhou novamente, e permitiu que os donos da casa desempatassem. Iajour encarou a marcação do zagueiro, que chegou atrasado e cometeu pênalti. Moutaouali bateu no canto esquerdo, e Victor, que fez defesas muito importantes na Libertadores, não conseguiu repetir e caiu para o outro lado.

Na base do abafa e do desespero, o Galo sequer esteve perto de empatar e ainda sofreu o terceiro em lance incrível. Coulibaly deu um lindo drible no grande círculo e foi “desarmado” por Moutaouali, que arrancou sozinho e tocou por cobertura. A bola tocou no travessão e, no rebote, Mabide, que durante a semana disse que Ronaldinho “já não é o mesmo do Barcelona“, deixou o dele.

Irreconhecível, Galo perde para o Raja e está fora da final do Mundial

Sem mais artigos
Sair da versão mobile