Responsável por quebrar diversos recordes na Liga dos Campeões da Europa e no Campeonato Espanhol, o atacante Cristiano Ronaldo também é muito perseguido dentro de campo por conta do seu talento. Alvo principal dos jogadores do Ludogorets na vitória do Real Madrid na última quarta-feira (01), por 2 a 1, na Bulgária, o português chegou a comparar o futebol praticado pela equipe búlgara ao rugby. Suas declarações, contudo, não soaram bem entre os amantes do esporte da bola oval.

Substituído minutos após levar uma pisada no calcanhar de Aquiles e um chute do jogador Anicet Abel, Cristiano desabafou e acabou recebendo uma carta do espanhol De la Calle Fermín, que é jornalista formado e jogador de rugby.

Explicando para o português qual é o espírito do esporte, Fermín criticou Cristiano Ronaldo no comunicado que foi publicado por diversos jornais espanhóis nos últimos dias.

Leia abaixo a carta na íntegra enviada por Fermín De la Calle:

Estimado Cristiano:

Escrevo esta carta como jogador de rugby. Na última quarta-feira, na minha opinião, você deu uma declaração infeliz logo após o fim de um jogo, ‘que o jogo disputado parecia rugby’ porque um rival te deu um chute por trás, em uma jogada sem bola. Queria te esclarecer que no rugby está terminantemente proibido chutar o rival e qualquer outro tipo de agressão será punida com uma expulsão direta.

Também te digo que o jogador expulso, além de ser punido pelo seu clube e pelo comitê regulamentário, pede desculpas no vestiário para seus companheiros no fim do jogo por deixar o time em desvantagem numérica e hipotecar o trabalho de toda a semana. Para nós, as partidas se jogam durante a semana e no fim de semana fazemos os treinamentos.

O rugby é um esporte de contato, duro e agressivo, mas nunca violento. No rugby existem alguns códigos de conduta de honra que todos respeitamos rigidamente, pois nunca verá um jogador de rugby simular uma falta ou uma agressão.

Costuma-se dizer que a única mentira que é permitida a um jogador de rugby é a aquele de que o médico pede para o atleta continuar em campo. Este fim de semana um jogador foi atingido no rosto, ele quebrou a maçã do rosto e continuou jogando por uma hora, ele não deixou o time em desvantagem.

No rugby, a continuidade prevalece 

Você já viu o que nossas camisas trazem nas costas? Elas indicam nossa posição no campo, mas não nosso nome, isso não é importante. O importante é quem a vista. Então, quando nós elaboramos uma boa jogada, ninguém comemora com seu nome, comemoramos com nossos colegas, pois a culpa da bola vir sempre nas melhores posições são deles. Por isso não temos entrega de Bola de Ouro. Também chamamos o árbitro de senhor, basta os capitães falarem com eles e eles nunca são culpados por nossas derrotas, já que estamos conscientes de que estamos errados em mais oportunidades do que eles.

Posso dizer que no rugby a continuidade prevalece, a filosofia de jogo nos afeta e a bola está sempre viva. No rugby, a bola deve estar sempre em jogo para mostrar que o melhor sempre vence. O anti-jogo é severamente perseguido e punido exemplarmente em nosso esporte, pois assim você nunca vai ver os jogadores perdendo tempo ou simulando lesões.

No rugby oponente do adversário no campo e companheiro fora dele. Eles nunca são inimigos, pois nós compartilhamos uma paixão e um código de conduta, que temos que respeitar também fora de campo. Por isso, ganhando ou perdendo, tomamos uma cerveja depois do jogo e depois de deixarmos nossas peles em campo. Por conta disso, achei sua declaração muito infeliz, Cristiano. Entendo sua ignorância sobre o nosso esporte. Deixou aqui meu convite para ir a um jogo de rugby, quando você quiser. Você está convidado a se juntar a nós para tomar uma cerveja depois do jogo. Sem mais, saúde e rugby.

Sem mais artigos