O Milan até se esforçou, mas com mais uma atuação praticamente irrepreensível o Atlético de Madri goleou a equipe italiana por 4 a 1 nesta terça-feira (11) no estádio Vicente Calderón e se classificou para as quartas de final da Liga dos Campeões, algo que não acontecia desde a temporada 1996/1997.

Com a vantagem de ter vencido o jogo de ida do confronto por 4 a 1 há três semanas, em Milão, o Atlético só esteve ameaçado uma vez, quando Kaká empatou no primeiro tempo, depois que Diego Costa fizera 1 a 0. Mas a equipe da casa resistiu às investidas do adversário e construiu o placar elástico na etapa final, com mais um do centroavante brasileiro naturalizado espanhol, um de Arda Turan e um de Raúl García.

A última vez que os Colchoneros estiveram nas quartas da Liga foi em 1997. Na ocasião, a equipe do volante Diego Simeone, hoje técnico do Atlético, foi eliminada pelo Ajax na prorrogação, com um gol do nigeriano Tijani Babangida a um minuto do apito final.

O adversário do time espanhol será definido em sorteio no próximo dia 21. Aos rossoneri, resta se reconstruir já pensando na temporada 2014/2015, já que equipe está fora também da Copa da Itália e é apenas a décima colocada do Campeonato Italiano.

Com todos os principais jogadores à disposição, o técnico Diego Simeone optou por repetir o time do último jogo do Atlético, o clássico com o Real Madrid, há dez dias. Com isso, a dupla de ataque foi formada por Raúl García e Diego Costa, enquanto o meia Diego e o atacante David Villa ficaram no banco. Os outros brasileiros do elenco, o zagueiro Miranda e o lateral Filipe Luís, começaram jogando.

No Milan, Clarence Seedorf teve apenas um desfalque, o meia Keisuke Honda, que já havia disputado a Champions pelo CSKA Moscou quando foi contratado, em janeiro deste ano. O meia Kaká foi mais uma vez o capitão da equipe, enquanto o atacante Robinho começou entre os reservas.

Nem bem a bola rolou e o Atlético já abriu o placar, mais uma vez, como acontece em San Siro, explorando a direita de defesa do time italiano. Koke descolou lindo lançamento nas costas da zaga, Diego Costa se esticou todo e completou para a rede, aos dois minutos de partida.

O gol não mudou o panorama do jogo. O Milan manteve sua proposta de ficar recuado, e eram os donos da casa que atacavam mais. Aos nove minutos, Koke lançou mais uma vez, agora batendo falta, Raúl García tentou de carrinho e mandou para fora.

A equipe visitante tocava a bola de um lado para outro, e a primeira finalização aconteceu apenas aos 23. Balotelli dominou na área e preparou o chute, mas foi travado, o que facilitou o trabalho do goleiro Courtois.

Mesmo frequentando pouco a área adversária, o time de Milão obteve o empate quatro minutos depois. Poli teve espaço pela direita, foi ao fundo e cruzou na segunda trave. Kaká apareceu por trás da zaga, cabeceou e contou com desvio na defesa para deixar tudo igual.

Com esse gol, o camisa 22 se tornou o 11º jogador da história, o primeiro brasileiro, a atingir a marca de 30 bolas na rede em partidas pelas Liga.

O empate deu moral ao Milan, que teve cerca de dez minutos de domínio. A melhor oportunidade de virar nesse período foi de Kaká, em mais uma jogada pelo alto, aos 35. Taarabt cruzou da direita, o meia se desmarcou e quase fez mais um, cabeceando muito perto da trave esquerda.

A alegria dos rossoneri, porém, não durou muito tempo, já que o Atlético desempatou aos 40 minutos. Diego Costa ajeitou com o peito para Arda Turan, que experimentou de fora e contou com desvio em Rami para marcar o segundo dos Colchoneros.

O terceiro por pouco não saiu um minuto depois, e teria sido um golaço. Juanfran cruzou da direita, a bola passou por toda a defesa e ficou a feição para Raúl García descolar linda bicicleta, tirando tinta da trave direita.

Os visitantes voltaram do intervalo buscando mais o ataque, com Robinho em lugar de Taarabt. Entretanto, o espaço para o Atlético contra-atacar ficou ainda maior. Logo aos dois minutos da segunda etapa, Diego Costa disparou pela esquerda e adiantou para Gabi, que ajeitou o corpo, pegou de primeira e carimbou o poste esquerdo.

A disposição do Milan no ataque era maior, mas a dos donos da casa na defesa, também, e o time espanhol parava tanto na bola quanto com falta. Em cobrança de infração da meia esquerda, aos 13 minutos, Balotelli encobriu a meta por pouco. A resposta foi dada rapidamente, aos 17, quando Diego Costa cruzou e Miranda cabeceou nas mãos de Abbiati.

O golpe de misericórdia foi dado por Raúl García, jogador que, ao lado do lendário Luis Aragonés, mais vestiu a camisa rojiblanca em jogos da Liga dos Campeões, com 21. Aos 26 minutos, ele aproveitou cruzamento de Gabi, subiu mais que a defesa, e cabeceou no canto, marcando o terceiro.

O Milan ainda teve grande chance, logo na saída de bola, mas a desperdiçou e depois disso não teve mais forças para esboçar qualquer reação. Àquela altura, eram necessários três gols. Kaká tocou para Robinho dentro da área e o camisa 7 acertou o travessão.

A goleada ficou completa aos 40 minutos. Diego Costa pegou sobra na direita, arrematou cruzado e deixou seu segundo no jogo, o sétimo na atual edição da Champions.

Sem mais artigos