O laboratório antidoping do Rio de Janeiro foi autorizado pela Agência Mundial Antidoping (AMA) para fazer controles com IRMS (espectrômetro de massas de medidas de relações isotópicas).

Esta instalação foi suspensa para fazer este tipo concreto de análise no mês de janeiro, mas a AMA comprovou que “foram tomadas as medidas de correção adequadas” para sanar as deficiências existentes.

Em março o presidente do COI, o belga Jacques Rogge, já assegurou que o problema estava em vias de solução e que os Jogos Olímpicos do Rio em 2016 teriam “a tempo” seu laboratório antidoping.

Os testes IRMS, que medem a presença de um determinado isótopo em um átomo, são utilizados principalmente para detectar o doping por testosterona.

Sem mais artigos