Presidente do Invicta FC, uma das principais organizações americanas de artes marciais mistas, Shannon Knapp saiu em defesa da brasileira Cristiane Justino, a Cris Cyborg, na polêmica levantada pelo presidente do UFC, Dana White, que voltou a falar sobre o histórico da lutadora com doping. Em entrevista ao site da revista Sports Illustrated, a dirigente disse que a atual campeã peso-pena (até 65,8kg) do Strikeforce passou limpa nos exames das duas vezes que lutou pela sua organização.

“Eles estão dividindo as coisas comigo e eu vi o relatório médico de 8 de fevereiro. Vi todos os seus níveis hormonais, e posso te assegurar: se ela (Cyborg) estivesse usando esteróides, esses níveis não seriam o que foram”, afirmou Knapp, defendendo a lutadora, que foi pega no exame antidoping uma única vez, em dezembro de 2011, por uso de estanozolol.

Na mesma entrevista, a presidente do Invicta aproveitou para confirmar que a brasileira pediu para descer ao peso-galo, e que está tomando as providências médicas necessárias. Antes disso, ela deve defender seu cinturão dos pesos-penas em abril, quando lutará pelo título do Lion Fight, evento de muay thai, em Las Vegas, contra Jorina Baars.

Com seis lutas ainda para fazer com seu contrato no Invicta, Cyborg já tem o aval de Knapp para encarar Ronda Rousey na luta pelo cinturão do UFC. “Eu a liberaria”, afirmou declarou Shannon Knapp.

Sem mais artigos