Um acordo firmado entre a Fundação Real Madrid e a Agência das Nações Unidas para os Refugiados da Palestina para abrir escolas sócio-esportivas em Gaza, tem oferecido “as crianças certa sensação de normalidade após a última ofensiva militar sobre a Faixa”, aponta o organismo internacional.

O projeto, dirigido a 500 meninos e meninas de sete escolas de Gaza, “procura promover o trabalho em equipe, a igualdade de gênero e a liderança, através do futebol. Eles não só aprendem os fundamentos básicos do esporte, mas também melhoram sua capacidade para enfrentar a vida”, assinala a Agência das Nações Unidas, por meio de comunicado.

“Desde que comecei, me sinto muito mais encorajada a estudar e minhas notas melhoraram”, diz Malak, de 13 anos, que estuda em Rafah. Ela é uma das 200 alunas que participaram deste projeto na Faixa de Gaza.

De acordo com a Agência, as meninas e meninos que vivem na Faixa de Gaza “sofrem altíssimos níveis de estresse físico e psicológico. Cerca de 80% destes menores apresenta algum tipo de conduta pós-traumática, depressão e entre outras alterações”.

A Fundação Real Madrid e a ONU uniram forças em 2011, para promover programas esportivos nas escolas da Agência. Mediante este acordo de colaboração, além das sete escolas de Gaza, outras 18 escolas na Cisjordânia atendem 600 crianças.

Sem mais artigos