<br>
O atacante Denílson, do Palmeiras, cumpriu a promessa de vibrar caso marcasse no clássico contra o São Paulo. Depois de cobrar pênalti, que virou a partida o jogar bateu no peito e demonstrou seu amor a camisa-alviverde, e aproveitou para cutucar o clube que o revelou.

"Queria marcar contra o São Paulo. Depois de dez anos (após sua saída), quando eu mais precisei, o clube não me deixou fazer uma recuperação lá. Eu estava engasgado. Quando precisei mesmo, quem abriu as portas e me ajudou foi o Palmeiras", declarou.

Quando chegou ao Palestra Itália, Denílson chegou a dizer que não comemoraria um eventual gol contra sua ex-equipe. Mas a recepção da torcida e uma conversa com Luxemburgo fizeram o atacante mudar de idéia.

"O gol é o melhor momento de um jogo, é preciso comemorar", concluiu o atleta.

Sua atitude rendeu elogios do técnico Vanderlei Luxemburgo."Falei para ele que tem que comemorar mesmo. Quando ele é contratado por um clube, precisa se empenhar ao máximo", disse o treinador. Que gostou do jogador ter “chamado a responsabilidade” na hora do pênalti.

LEIA MAIS
<a target=_blank href=http://www.virgula.com.br/esporte/novo/nota.php?ID=24206>O Palmeiras não tem nada garantindo, pelo contrário

Sem mais artigos