<br>
Para onde quer que se olhasse no Pacaembu, na noite desta quarta-feira, o que se via eram rostos tristes e preocupados. A derrota para o Vasco não estava nos planos nem dos torcedores nem do time. "Perdemos a melhor chance que tínhamos", disse Vampeta, após a partida.

A missão da equipe não é fácil: tem de vencer o Grêmio, no Olímpico, no domingo, para escapar do rebaixamento sem precisar da ‘ajuda’ de Paraná (que pega o Vasco, no Rio) e Goiás (recebe o Inter), outros concorrentes à vaga na Série B. "Temos condições de ganhar o jogo. Não há desespero", garante o técnico Nelsinho Baptista.

"Não estamos derrotados. Sabemos que não é nada fácil, mas o vento que sopra aqui, sopra para o Paraná e para o Goiás. Eu, como o mais velho aqui, preciso passar confiança aos jogadores", analisa o volante Vampeta, que entrou no lugar de Carlos Alberto na etapa final.

O veterano jogador admite que o elenco corintiano é limitado. "Isso é complicado, porque acabamos deixando a responsabilidade na mão de jovens como Lulinha, Dentinho e Amaral", afirma ele.

O técnico Nelsinho Baptista, apesar de reconhecer a bobeada do time no Pacaembu, elogiou a equipe. "Tivemos bons momentos, principalmente no segundo tempo, porque pusemos a bola no chão. Mas ou o goleiro [Cássio] pegava ou pecávamos na finalização", disse o comandante.

Questionado se Finazzi teria feito falta no jogo, Nelsinho discordou. "Ele é responsável por 40% dos nossos gols, mas quem o substituiu fez bem o seu trabalho", analisou. Vampeta foi sincero. "Um dos fatores desta derrota foi a ausência do Finazzi. Sem desmerecer ninguém, mas ele – jogando bem ou mal – empurra a bola pra dentro", disse o volante.

Os erros do Corinthians durante a partida no Pacaembu fizeram os torcedores perderem a paciência com alguns jogadores. Nelsinho pôs panos quentes. "Este grupo não é limitado. É, sim, um grupo que foi humilhado e castigado pelos desmandos que havia no clube", disse o treinador.

Para Vampeta, a juventude do time é uma dos motivos que explicam a instabilidade do time. Seria, então, o jogo contra o Grêmio a hora do Velho Vamp voltar à equipe titular. "Todo jogo eu acho que é pra mim, mas a reserva é uma opção do Nelsinho e eu respeito", finalizou o volante.

Sem mais artigos