<br>
Brasil e Peru se enfrentam, às 19 horas deste domingo, na terceira ‘rodada’ das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2010, em Lima. E o brasileiro que mais conheceu de perto o futebol peruano é o técnico Paulo Autuori, que treinou a seleção do Peru de 2003 a 2005.

Com exclusividade ao <b>Virgula</b>, o treinador campeão mundial pelo São Paulo falou sobre o futebol peruano e disse que torce para que o país se supere, conquistando a vaga para a Copa do Mundo.

<b>Em seu período no Peru você trabalhou com algum dos atuais jogadores da seleção?</b>

<b>Paulo Autuori</b>: Pelo o que estou vendo, o técnico José del Solar voltou a convocar os estrangeiros e a seleção atual é praticamente a mesma da minha época. Acho que isso mostra que o Peru pode ter perdido quatro anos de trabalho e que poderia ter adquirido um conjunto melhor na parte coletiva, se tivesse mantido a filosofia de contar com os jogadores que atuam fora do país. Trabalhei com vários jogadores da atual seleção, como Pizarro e Solano.

<b>Você continua acompanhando o futebol peruano? Quais seriam os destaques individuais da equipe?</b>

<b>PA</b>: Acompanho o futebol mundial, em geral, e é claro que o peruano também. Para mim, os destaques são Alberto Rodríguez, Solano, Farfán e Paolo Guerrero.

<b>Quais os pontos fortes da seleção peruana? Em que aspectos a seleção costuma se destacar?</b>

<b>PA</b>: A seleção do Peru tem uma boa qualidade ofensiva, com Solano e Pizarro, mas tem uma defesa bem vulnerável. O Peru iniciou mal a competição, precisa da vitória e deve ter cuidado, pois o Brasil poderá tirar proveito dessa vulnerabilidade.

<b>Você percebe uma evolução no futebol peruano nos últimos anos?</b>

<b>PA</b>: Depois da minha saída, a seleção peruana já mudou de técnico por quatro vezes. Na época, fiz um trabalho levando em conta a vivência e a experiência de jogadores que jogavam na Europa, pois tinham um nível competitivo diferente dos que atuavam no país. Exatamente como o atual treinador, que voltou a convocar jogadores da minha época. Por conta disso, digo que o Peru pode ter perdido quatro anos de trabalho. Cheguei a ser criticado por pessoas que queriam a convocação de jogadores do país, mas, no Peru, não há um trabalho forte com jogadores sub-20 e nem competições dessa categoria. Mesmo assim, ainda consegui até fazer uma renovação com jogadores como Alberto Rodriguez, Juan Vargas, Farfán, entre outros. Sei das dificuldades que o Peru pode enfrentar para conseguir uma vaga na Copa do Mundo e espero que os peruanos possam se superar.

Sem mais artigos