O presidente da Uefa, Michel Platini, descartou nesta sexta-feira (15) uma nova redução do número de equipes europeias que participam de uma Copa do Mundo, que atualmente é de 13 seleções. “A redução está descartada. Antes havia 15, agora 13. Não haverá mais cortes”, disse o dirigente durante uma entrevista coletica na Casa do Futebol da capital russa. Recentemente, Platini levantou a possibilidade de ampliar de 32 a 40 o número de seleções participantes da fase final do Mundial.

O chefe da Uefa assegurou estar de acordo com a opinião do presidente da Fifa, Joseph Blatter, sobre uma maior presença da África, já que esse continente tem 54 nações e só 5 vagas no Mundial, enquanto a Europa tem 53 países e 13 finalistas. “Mas ao invés de reduzir os europeus, devemos ir para 40 seleções na Copa do Mundo. Podemos acrescentar dois da África, dois da Ásia, dois da América, um da Oceania e um da Europa. Apoio esta ideia totalmente”, afirmou.

Por outra parte, Platini se mostrou hoje partidário de transferir a Copa Mundial de 2022 que será realizada no Catar aos meses de inverno, devido às altas temperaturas estivais no país árabe. “Eu estou a favor do Catar. Mas é melhor jogar no inverno. O Mundial 2022 não pode ser realizado no verão. Mas esta é uma decisão política que não depende de mim”, disse.

Contudo, Platini descartou que o Catar possa ver arrebatado o direito a organizar o Mundial devido às condições climatológicas extremas.

Platini, que dirige a Uefa desde 2007, também não descartou a possibilidade de se apresentar às eleições à Presidência da Fifa em 2015. “Uma decisão a respeito ainda não amadureceu na minha cabeça. Possivelmente, tome uma decisão durante o Mundial de 2014 no Brasil”, comentou

Sem mais artigos