A Comissão de Controle e Disciplina da Uefa decidiu nesta quarta-feira (30) a interdição de parte do estádio do CSKA Moscou para a próxima partida da equipe russa como mandante pela Liga dos Campeões, contra o Bayern de Munique, em 27 de novembro, como punição por racismo.

A comissão considerou racista o comportamento de parte da torcida do CSKA na derrota para o Manchester City por 2 a 1 no dia 23 de outubro, na Arena Khimk, e definiu a punição. Segundo informações da Uefa, o setor D do estádio permanecerá fechado durante o duelo com o Bayern, pela quinta rodada do grupo D da Champions.

A Uefa iniciou um procedimento disciplinar contra o clube de Moscou para decidir se seria imposta alguma punição por possíveis cânticos racistas de alguns de seus torcedores contra o volante marfinense Yaya Touré, algo que foi categoricamente negado pelo CSKA.

A entidade que rege o futebol europeu reiterou que a luta contra o racismo é uma de suas prioridades e que aplicará uma política de tolerância zero diante de qualquer tipo de atitude discriminatória.

“Todas as formas de comportamentos racistas são consideradas sérias ofensas contra as regulações disciplinares e são castigadas com as punições mais severas. Após a entrada em vigor da nova legislação disciplinar, em 1º de junho, foi reforçada a luta contra atitudes racistas, que ajudarão na imposição de punições mais severas por esse tipo de comportamento”, disse a Uefa em nota.

Por racismo, parte de estádio do CSKA é fechada para jogo da Champions

Sem mais artigos
Sair da versão mobile