A direção do Campeonato Russo condenou o tratamento dado às mulheres que foram abusadas por policiais homens antes do jogo entre Rubin Kazan e Spartak de Moscou, em Kazan e vencido pelos visitantes por 4 a 0. Segundo relatos de torcedoras do Spartak, policiais não deixavam elas entrarem e faziam as mais pacientes esperarem mais de uma hora, além de as revistarem de forma “humilhante”, como escreveu a blogueira Ekaterina Stepanova. A matéria é do site inglês Daily Mail, publicada nesta terça-feira (06).

E não para por aí. Segundo Ekaterina, antes da partida de estreia das equipes no torneio nacional jogada no último dia 1, moças foram obrigadas a tirar a roupa e até exigidas que retirassem suas roupas de baixo. Tudo isso no estádio que será uma das 12 sedes da Copa do Mundo de 2018.

Uma outra torcedora disse à mídia russa que preferiu não mais entrar para assistir à partida, pois se recusou a tirar a própria roupa. Já a blogueira contou que precisou esperar mais de uma hora e meia para ser autorizada a entrar na Kazan Arena.


Kazan Arena recebendo o duelo em questão (Crédito: Site Oficial Rubin Kazan)

O diretor de segurança do estádio, Alexander Meitin, criticou o “tratamento pesado” à agência de notícia R-Sport, dizendo que tanto a liga quanto o próprio Spartak enviaram reclamações.

A polícia de Kazan defendeu-se declarando que a revista para aquele jogo foi feita de forma legal e apenas torcedores suspeitos de carregar algum tipo de contrabando eram revistados.

Sem mais artigos