A edição XLVIII do Super Bowl foi cheia de emoções no frio MetLife Stadium de Nova Jersey (EUA), onde o Seattle Seahawks arrasou o Denver Broncos, vencendo por 43 a 8, e se consagrou campeão da temporada do futebol americano, o primeiro título na história da franquia, na noite do último domingo (02).

Os Seahawks só tinham ido ao Super Bowl uma vez e perderam para o Pittsburgh Steelers na temporada de 2005/2006, mas desta vez levaram o título.

Decepção para a torcida de Denver, que esperava mais da estrela do time e MVP da temporada regular, o quarterback Peyton Manning.

A batalha da melhor defesa da NFL (Seahwaks) contra o melhor ataque (Broncos) terminou com um resultado improvável.

Os Broncos começaram o jogo com a bola, após o cara ou coroa vencido pelos Seahawks, que escolheram o lado do campo e preferiram ficar com a bola no segundo tempo.

Após o kickoff, o time de Denver começou sua primeira campanha na linha de 14 jardas e um snap terrível para Manning acabou em um safety para os Seahawks, que abriu o placar em 2 a 0 logo nos primeiros segundos de partida, a pontuação mais rápida na história do Super Bowl.

O time de Seattle começou sua campanha de forma avassaladora e não fosse o wide receiver Percy Harven ter pisado fora do campo o primeiro touchdown teria acontecido.

Mas os guerreiros de Seatle chegaram perto da end zone na campanha seguinte e acabaram pontuando mais uma vez, com um field goal de 31 jardas do kicker Steven Kauschka: 5 a 0.

Os Broncos receberam a bola para finalmente Manning mostrar serviço e começaram da linha de 35 jardas, por conta de uma falta de 15 jardas cometida pelo adversário.

A melhor defesa da NFL não permitiu o primeiro avanço dos Broncos, e rapidamente recebeu a bola de volta, mesmo com a tentativa de Manning de acelerar o jogo com o no huddle para evitar um melhor trabalho defensivo dos Seahawks.

Os minutos seguintes do primeiro quarto foram de jogo no meio do campo, sem muitos lances de emoção ou perigo.

Mas faltando 2min21s para terminar o quarto, os Seahawks – com seu quarterback Russel Wilson – chegaram mais uma vez perto da end zone, não conseguiram o touchdown, mas Kauschka converteu um field goal de 33 jardas: 8 a 0 para o Seattle.

Manning mais uma vez foi para o ataque para tentar levar seu time à pontuação, mas logo na terceira jogada sofreu uma interceptação do strong safety Kam Chancellor, decepcionando a torcida de Denver.

Os Seahawks terminaram o primeiro quarto com a posse da bola, após ainda conseguiram uma primeira descida até a linha de 17 jardas do campo do adversário.

E o time de Seattle começou o segundo quarto passando o rolo compressor no de Denver. Em menos de dois minutos conseguiu entrar na end zone adversária e anotar o primeiro touchdown da partida, com a corrida de uma jarda de Marshawn Lynch.

Com 15 a 0 no placar, o desespero começava a tomar conta dos Broncos, que não conseguiam jogar. Finalmente, Manning completou a primeira corrida para seu time para continuar a campanha e tentar abrir o placar para Denver.

Wes Welker, Demaryius Thomas e Julius Thomas eram acionados por Manning em campanhas sucessivas, mas aí veio de novo a pressão sobre o quarterback do Denver e o desastre aconteceu: o linebacker Malcolm Smith intercepta o passe, corre 69 jardas e anota mais um touchdown para Seattle: festa da torcida azul no Metlife Stadium.

Com 22 a 0 no placar, a pressão sobre o quarterback dos Broncos só aumentava. Anotar pontos no primeiro tempo era essencial, mas o ataque não produzia.

Faltando 1min06s para terminar o quarto, os Broncos tinham uma quarta descida para tentar o touchdown e arriscaram, mas veio mais um passe incompleto de Manning e o time foi para o intervalo com um cenário terrível para reverter.

Após o show de Bruno Mars e Red Hot Chili Peppers – outro dos atrativos do Super Bowl são as atuações de artistas famosos no intervalo – os times voltaram a campo.

E a drama dos Broncos só aumentou! Logo no primeiro lance, o wide receiver Percy Harvin recebe a bola após o kickoff do Denver e retorna 87 jardas para touchdown dos Seahawks: 29 a 0 após o ponto extra.

O tempo passou e a dificuldade dos Broncos de converter terceiras descidas continuava, o que fez o time devolver a bola aos 10min54s do terceiro quarto.

E quem disse que as coisas não podiam piorar? Faltando 6min08s para o fim da parcial mais um turnover, pelas mãos de Byron Maxwell, contra os Broncos na corrida de Thomas fez a bola votar mais uma vez para os Seahawks na linha de 20 jardas da defesa.

E para completar, uma jogada incrível do wide receiver Jermaine Kearse – que quebrou vários tackles e correu 23 jardas – terminou em mais um touchdown para os Seahawks, que a esta altura da partida praticamente garantiu o título.

Ficava cada vez mais evidente que o Seatte só precisava esperar o tempo passar e administrar o resultado para comemorar, em uma partida na qual a impressão que ficou foi de que apenas um time entrou em campo.

Para a vergonha dos Broncos não ser completa, faltando três segundos para o final do quarto, finalmente o time conseguiu marcar seus primeiros pontos: primeiro com o touchdown de Thomas e depois com o mini touchdown – que vale dois pontos – de Wes Welker, colocando o placar em 36 a 8.

Os Broncos começaram o quarto final tentando uma improvável jogada de onside kick, que foi mal sucedida, deixando o ataque dos Seahawks em boa posição de campo para começar sua campanha.

O time de Seattle ainda iria ampliar o placar faltando 11min55s para o final do jogo, com um touchdown do wide receiver Doug Baldwin. Com o ponto extra o placar marcava 43 a 8 para os Seahawks.

Um dos destaques da partida foi que Peyton Manning quebrou o recorde de número de passes completos em um Super Bowl, 33 no total.

Outro foi o filho de brasileiros nascido nos EUA, o tackle dos Seahawks Breno Giacomini, que teve boa participação.

Os minutos finais foram de um jogo apático e sem grandes emoções, em compasso marcado para a festa da torcida de Seattle, que comemorou pela primeira vez um título de um Super Bowl.

Sem mais artigos