Os torcedores que viajarem para a Copa do Mundo no Brasil deverão comprovar que estão em dia com suas vacinas para evitar o contágio de doenças altamente infecciosas como a rubéola e o sarampo, advertiu a Organização Mundial da Saúde (OMS).

A organização aproveitará a Semana Anual da Vacinação nas Américas -que começa hoje e vai até o dia 30 de abril, para divulgar esta advertência. O lema regional da campanha é uma referência ao futebol: “Vacinação sua melhor jogada!”.

“O tema foi escolhido como uma chamada à ação para destacar a importância de se estar protegido contra as doenças preveníveis mediante vacinação, em particular o sarampo e a rubéola, durante a realização da Copa do Mundo”, explicou Alba María Ropero, assessora regional do programa de imunização da Organização Pan-Americana de Saúde (OPS).

Segundo a OMS, o Mundial, que acontecerá em 12 cidades brasileiras de 12 de junho a 13 de julho, é um cenário propício para a disseminação de doenças, apesar de muitas delas já não serem frequentes na região há anos.

A transmissão endêmica do sarampo nas Américas se interrompeu em 2002, e a da rubéola, em 2009.

“No entanto, o sarampo segue circulando em nível mundial e em países como o Brasil, Canadá, Equador e os Estados Unidos da América se notificaram casos de sarampo vinculados a importações”, lembrou Ropero.

A partir da interrupção da circulação endêmica do sarampo em novembro de 2002, o continente começou a contar casos importados de outros países e até 2012 notificou 2.771.

A maioria deles (1.369) ocorreram em 2011, quando se documentaram 171 surtos a partir de importações, que geraram uma transmissão sustentada em pelo menos três países (Canadá, Equador e Brasil).

“A Semana da Vacinação fornece uma oportunidade de se preparar para enfrentar este desafio e proteger as conquistas da região, incluídos os esforços para intensificar as atividades de vacinação orientadas aos viajantes e outros grupos de alto risco como os trabalhadores de saúde, trabalhadores do setor turístico, jornalistas, etc”, afirmou a assessora da OPS.

O cuidado não é exagerado, já que dos 32 países cujas seleções participarão da Copa, 19 notificaram casos de sarampo em 2013.

Além disso, existem precedentes que ressaltam a necessidade da prevenção.

“Existem antecedentes em eventos internacionais, como os Jogos Olímpicos (de inverno) de Vancouver em 2010 e a Copa do Mundo na África do Sul em 2010, que foram associados a um bom número de casos de sarampo no Canadá, Argentina e Brasil”, disse a especialista.

A OPS enfatizou a prevenção do sarampo e rubéola pois são duas doenças de alto contágio, mas em coordenação com o governo brasileiro serão aplicados planos para se evitar também o contágio de outras enfermidades.

Para estar bem protegidos, os viajantes devem se vacinar duas semanas antes de entrar em um eventual contato com a doença.

Como muitos dos torcedores virão de outras partes do mundo, e sobretudo da Europa, a OPS está trabalhando com o restante de regiões da OMS para que sejam realizadas campanhas de comunicação que alertem para a necessidade de se estar imunizado.

“A Semana Mundial de Imunização, da qual participam todas as regiões da OMS, é um veículo importantíssimo para lembrar a importância de se ter as vacinas em dia e, em última instância, de estar preparado antes de ir ao Brasil”, explicou Ropero.

“Mesmo assim, estamos coordenando com a OMS EURO campanhas de vacinação nas próximas semanas, em particular recordando aos viajantes sobre a necessidade de se vacinar antes de viajar ao Brasil”, acrescentou.

Apesar de nenhuma das duas doenças serem muito graves em adultos, são perigosas quando atingem crianças e quando infectam mulheres grávidas, pois podem causar graves deformações nos fetos e inclusive a morte.

Sem mais artigos