Alguns poucos negros famosos

Quando Lázaro Ramos virou galã de novela, em Insensato Coração, aconteceu uma celeuma. “Não dava para crer que aquele cara é o garanhão, como já foi o José Meyer”, diziam alguns alegando que ele é feio, mas no fundo a questão é que ele é negro. Infelizmente, nessa sexta (13), comemora-se dia da Abolição da Escravatura no Brasil, o último país das Américas a libertar os escravos negros das senzalas. Mas será que eles são realmente livres?

“Ninguém quer ser negro no Brasil, esse é o problema. O país tem uma série de preconceitos, dentre eles o racial, que é muito incômodo. Todo mundo diz que tem um avô negro, mas na hora ‘h’…”, diz o ator e militante negro Milton Gonçalves. “Essa questão é profunda. Está na alma escravista brasileira, na disputa de pedacinho de pão, de coisas mínimas. A única salvação, e isso vai demorar, é e-du-ca-ção para todos”.

A polêmica das cotas para negros nas universidades sempre recebe a cínica crítica que “eles [os afrodescendentes]  estão querendo tirar vantagem”. Mas contem quantos negros tem numa universdade do porte da USP (pública e com nível) e depois voltamos a discutir a questão  e quem tem vantagem nessa história.

Poucos são so negros também que ficam famosos. Temos exemplos grandiosos como o Pelé, alguns atores, alguns músicos, alguns artistas. Fazendo essa contagem é fácil entender que num país de maioria negra, ainda falta muito para acontecer uma verdadeira abolição para os negros. que venham mais oportunidades para eles!

Abolição da Escravatura ainda está acontecendo no Brasil

Sem mais artigos