Depois de comer o pão que o diabo amassou nas mãos de Félix (Mateus Solano), Simone (Vera Zimmerman) se vinga de seu ex-patrão e, assim como ele a chamava de cadela, chama-o de cachorro, em Amor à Vida.

Percebendo que o futuro de Félix no hospital é incerto, Simome ajuda César (Antonio Fagundes) a recolher provas contra o então presidente do San Magno. Ela entrega a César as xícaras que, através de análise de digitais, podem confirmar que foi Félix quem roubou o bebê de Paloma (Paolla Oliveira).

Expulso do hospital e de casa, pela mãe, Félix vai ao San Magno para recolher seus pertences e pede ajuda da secretária: “Simone, eu preciso de um favor seu. Eu acho que dificilmente voltarei a este hospital, então eu peço, por gentileza, que arrume as minhas coisas em caixas, pra que eu possa levar, e deixe na recepção. Minhas coisas pessoais, inclusive. Me acompanhe”.

Simone não resiste a tentação de ver a cara de Félix ao descobrir que ela tem uma parcela de responsabilidade na demissão do executivo e solta: “Doutor Félix, eu não sei os detalhes pelos quais teve que renunciar a presidência, mas eu tenho orgulho de saber que contribui com isso”.

“Eu já estou feliz, soltando fogos de artifício porque o senhor vai embora de vez. E nunca mais vai me chamar de cadela. Então, eu vou arrumar as caixas, e até mando colocar no seu carro… Cachorro (…) Cachorro! Cachorro! Vira-lata. Passa! Passa!”, finaliza Simone.

Sem mais artigos