Cleo Pires contou que aceitou o convite para fazer o filme Meu Nome Não É Johnny (2008) para poder trabalhar com o ator Selton Mello, durante entrevista para o programa Cinejornal, do Canal Brasil, publicado no site da atração nesta sexta-feira (11).

“Eu era louca por ele, achava ele tudo na vida. Ele é incrível realmente, né? Mas eu era muito novinha, admirava desde muito cedo. Achava lindo, sexy, o máximo. Estava louca para trabalhar com ele. Foi muito divertido, mas muito difícil também. Eu era muito tímida nessa época e cheia de pudores, não tinha uma clareza dentro de mim sobre o que eu queria fazer. Daí, não sabia muito o que fazer quando chegava perto dessas pessoas que eu admirava muito. Foi superdesafiador”, contou a atriz.

Ela também comentou que demorou um tempo para ter certeza que queria ser atriz: “Eu queria ser cantora, gosto da sensação que a música me causa, os lugares para onde as músicas me levam. Mas eu nunca tinha vislumbrado que ser atriz pudesse me satisfazer ou servir de ferramenta para eu evoluir e para conhecer coisas que me fizessem sentir como parte do mundo. Quando eu fiz Benjamin (2003, primeiro filme em que atuou), eu senti que fazia parte, que aquilo falava comigo, mas ainda não racionalmente, era muito instintivo. Acho que em Ciranda de Pedra (novela de 2008) isso começou a ficar mais consciente para mim”.

Atualmente, ela está em cartaz no cinema com o filme O Tempo e o Vento, em que vive a personagem Ana Terra e, em breve, irá filmar outro longa, Boletim de Ocorrência, na pele da policial Francis.

Sem mais artigos