Não espere ver posts de Kim Kardashian ou de suas marcas no Instagram e Facebook na quarta-feira (16). A empresária anunciou nesta terça (15) que “congelará” suas contas nas plataformas amanhã para protestar contra o discurso de ódio e a disseminação de fake news.

Kardashian se junta a um time de estrelas que aderiram à campanha “Stop Hate for Profit”, que visa responsabilizar as empresas de redes sociais pelos discursos de ódio. A ação pede que o Facebook “pare de priorizar o lucro em detrimento do ódio, da intolerância, do racismo, antissemitismo e desinformação”.

Para enviar um recado ao império de Mark Zuckerberg, a campanha pede para que usuários não postem nada em seu Facebook e Instagram no dia 16 de Setembro. Durante a semana entre os dias 14 e 18, incentiva os internautas a divulgarem os impactos negativos que o Facebook tem sobre a sociedade e a importância do voto. As eleições presidenciais dos Estados Unidos ocorrem em Novembro.

De acordo com a “Stop Hate for Profit”,  “diariamente” organizações são alertadas sobre posts patrocinados no Facebook contendo discurso de ódio e informações falsas. Por isso, demandam providências da plataforma, como derrubar grupos antissemitas, racistas, misóginos e conspirativos, que podem levar à violência, além de remover publicações com fake news sobre as eleições.

Além do perfil pessoal, Kim Kardashian congelará as postagens de suas empresas KKW Beauty, KKW Fragrance e Skims, que terá a data de lançamento de uma nova coleção adiada por causa da campanha.

Também aderiram ao boicote publicitário Demi Lovato, Michael B. Jordan, Sacha Baron Cohen, Katy Perry, Orlando Bloom, Jennifer Lawrence, Judd Apatow, Ashton Kutcher, Amy Schumer, Sarah Silverman, Jamie Foxx e Leonardo DiCaprio.

“Eu amo poder me conectar diretamente com vocês pelo Instagram e Facebook, mas eu não posso me sentar e ficar calada enquanto essas plataformas continuam permitindo o compartilhamento de ódio, propaganda e desinformação – criados por grupos que visam semear divisão e separar a América – para tomar medidas apenas após pessoas serem assassinadas”, escreveu Kim em sua publicação. “Desinformações espalhadas nas redes sociais têm um sério impacto em nossas eleições e prejudicam nossa democracia”, explicou. Para finalizar, convidou os seguidores a se juntarem à campanha.

Sem mais artigos