Marcelo Serrado

Se tem uma coisa que o ator Marcelo Serrado não tem é medo do risco. Deixou a Globo depois de 15 anos para fazer uma série na TV fechada e, logo depois, fechou contrato com a Record. Em 2011, voltou para a emissora carioca em grande estilo para viver o impagável personagem gay Crô, na novela Fina Estampa. Poucos atores com perfil de galã como ele topariam o papel. Por isso não chega a ser surpresa Serrado se jogar no mar revolto mais uma vez, desta vez no teatro. A partir de 05 de abril, ele viverá um autista no palco do Teatro Vivo, em São Paulo. E não é qualquer autista. O ator interpreta Raymond, em Rain Man, personagem que no cinema deu o Oscar a Dustin Hoffman em 1988.

José Wilker dirige adaptação do filme para o teatro, que tem ainda Fernanda Paes Leme, Rafael Infante, Roberto Lobo, Jaime Leibovitch e Sara Freitas no elenco.

No Dia Mundial de Conscientização do Autismo – transtorno do desenvolvimento que afeta um em cada 50 seres humanos -, comemorado nesta terça-feira (02), Virgula Famosos conversou com Marcelo sobre o papel na peça e como o autismo impactou sua vida desde a infância.

Virgula Famosos – Como você recebeu o convite para o papel de Raymond?

Marcelo Serrado – O contato foi do produtor Sandro Chain. Quando me disse que seria esse papel, topei na hora. Adiei alguns projetos para poder fazer. Tenho uma ligação muito forte com esse tema.

Seu irmão mais velho é autista, você já falou dele em programas de TV recentemente. Isso influenciou?

Meu irmão tem um quadro de deficiência mais complexo do que o Raymond. Teve problemas no parto inclusive. Ele foi embora quando eu tinha 5 anos. Foi para uma clínica onde havia outros autistas. Eu visitava ele e então convivi com autismo durante muitos anos. É um assunto que me toca.

Você se inspirou no seu irmão de alguma forma para o papel?

Na verdade não. Eu e o preparador de elenco Sergio Penna visitamos várias entidades que tratam de autistas. Na Apae (Associação de Pais Amigos de Excepcionais), encontrei um cara que me inspirou muito. O que me interessava era saber o que o autista sente. Como ele se sente no mundo.

O que ele te contou?

Que balança o corpo, por exemplo, quando está nervoso, para se acalmar. Contou que não vai ao supermercado porque ouve todos os barulhos e é insuportável. Consegue ouvir o cara cortando a carne, uma mulher comendo biscoitos, todo mundo falando ao mesmo tempo. No dia em que estava falando com ele, tinha um ventilador de teto ligado e ele pediu para desligar. Disse que para ele aquilo para ele soava como uma hélice de avião. Me contou também o quanto um abraço era difícil para ele.

Você ficou inseguro de interpretar um papel que foi tão marcante com a atuação de Dustin Hoffman?

Eu não quis rever o filme, que tinha visto nos anos 80. Vi apenas algumas interpretações no Youtube de outros atores que estão vivendo o papel no teatro em outras partes do mundo (Rain Man está em cartaz em vários países). E vi que cada um tem a sua (maneira de interpretar). Eu usei o olhar de um menino que conheci, por exemplo.

Como a situação do seu irmão afetou você?

Eu era muito pequeno, não entendia aquilo direito. Mais tarde fui recuperar minha história com ele. Faço tudo o que posso para ajudar a divulgar o assunto, vou a programas, participo de campanhas.

Veja mais fotos de Marcelo Serrado na peça Rain Man, de sua carreira e vida particular na galeria acima.

Marcelo Serrado estreia peça Rain Man em São Paulo e revela o impacto do autismo em sua vida

Sem mais artigos