Ângela Bismarchi

Ângela Bismarchi fez mistureba de personagens em seu segundo livro

Ângela Bismarchi resolveu misturar personagens clássicos em situações realmente inusitadas em seu mais novo livro, o Don Juan e Seus Tons de Pink. Ela promete que é um romance polêmico, que coloca Don Juan, Rei Arthur e a Rainha Guinevere no mesmo balaio, em uma trama que se passa no… Rio de Janeiro.

Segundo Ângela, nem adianta comparar com Cinquenta Tons de Cinza, de Erika L. James:

Capa do livro Don Juan e Seus Tons de Pink, de Ângela Bismarchi

Divulgação Capa do livro Don Juan e Seus Tons de Pink, de Ângela Bismarchi

“O meu livro é muito melhor. E no caso das personagens, não se trata de uma adaptação. O mais importante foi ter a ideia e a coragem de recriar personagens e mitos da literatura internacional de diferentes autores, diferentes séculos e diferentes histórias e lidar com eles e com seus espíritos fortes e batalhadores da era medieval como se fossem meus amigos e convivessem ao meu lado. Foram momentos inesquecíveis escrever sobre Don Juan e a Rainha Guinevere”, contou.

Ângela fez questão de dizer que sua obra é distinta, e até de explicar um pouquinho mais a história:

“No ‘50 Tons’, são dois personagens num quarto, sendo um homem rico e bonito e uma estagiária de jornalismo. Meus personagens são mais fortes do que eles. Tem sadomasoquismo, romance, explosão de luxúria, muito conflito sexual… É um romance que começa no Rio e o clímax é num baile de máscaras em Veneza”, revelou.

Incontestavelmente polêmico, o livro levanta uma questão peculiar levantada por Ângela, que em suas pesquisa chegou a conclusão de que o maior conquistador da literatura mundial, Don Juan, era gay.

“Ele é um homem sedutor, atraente, por quem as mulheres se apaixonavam. Ele ficava com elas, mas depois as abandonava. Eu acho que ele era gay, pois era sedutor e não ficava com mulher nenhuma. Ele esta muito narcisista, então acho que ele tem uma tendência forte à homossexualidade. No meu livro ele usa várias coisas cor-de-rosa, como cintas-liga. Daí o nome do romance”, explicou.

Dá inspiração à criação do livro, Ângela levou quase um ano mergulhada no universo de suas personagens. Um hotel em Veneza serviu de cenário para todas as inspirações e expirações da sensualidade que o livro relata:

“Levei quase um ano trabalhando no livro. Nos últimos 6 meses foi um trabalho insano e diário. Fiz 8 sinopses do trabalho e rasguei as 8. Fiz a nona e fiquei com ela. Estava impecável. Chorei nesse dia em que decidi o destino dos meus personagens”, revela a autora.

Escritora do livro “Os 10 Mandamentos do Amor”, Ângela acredita que seu livro será um best-seller.

“Será o que a vida quiser me proporcionar. Estou escrevendo o que vem pelo meu sangue, pelo o que corre em minhas veias e pelo o que chega ao meu cérebro. Agora, se os togados da ABL vão ver nesses meus raios de vislumbres e ficções romanceadas um tanto de literatura a ser premiada, com certeza, ficarei muito orgulhosa”, disse Ângela.

Independente do resultado e das vendas de Don Juan e Seus Tons de Pink, ela já pensando em um terceiro livro:

“Já estou em pesquisa para escrever um novo romance erótico-sensual que dará muito o que falar. Já fiz a primeira sinopse…”, revelou Ângela Bismarchi.

Ângela já foi apresentadora do Virgula. No programa, ela batia um papo quente com o pessoal em uma banheira. Olha só como era:

Novo livro de Ângela Bismarchi tem Don Juan gay e Rei Arthur no Rio de Janeiro

Sem mais artigos