Dá um close nela! Nos anos 1980, Roberta Gambine Moreira foi a musa do verão, capas de revistas masculinas, passista de escola de samba e, de certa forma, levou a questão das travestis e transexuais para longe dos cadernos policiais. Nasceu como Luís Roberto Gambine Moreira, mas ficou mesmo conhecida como Roberta Close, a transexual mais famosa do Brasil.

A modelo foi a primeira transexual a posar nua na Playboy, teve status de superstar nos anos 80 e só se falava nela. “A musa deste verão é homem”, dizia uma das manchetes das diversas revistas e jornais que foi capa.

Participou do videoclipe Dá um Close Nela, de Erasmo Carlos, que se transformou em um grande sucesso. A letra falava sobre uma mulher deslumbrante que era na verdade uma transexual. Logo ligaram a situação à Roberta Close, fato que o Tremendão negou. E que eles estariam tendo um caso, desta vez desmentido pelos dois.

Em 1989, Roberta faz uma cirurgia de redesignação sexual, a famosa operação de mudança de sexo. Já se sentindo toda completa na anatomia feminina, surge um outro obstáculo, seus documentos continuam com seu nome de homem.

No aeroporto de Zurique, na Suíça, ela é detida por policiais da fronteira pois seu nome não correspondia àquela mulher curvilínea e superfeminina. Os agentes acharam que se tratava de uma terrorista do IRA.

A batalha para a mudança de nome para o chamado nome social (o direito de transgêneros colocar o nome que corresponde à sua identidade psíquica) foi longa, mas elucidativa – devido à presença de Roberta na mídia- para que todos soubessem das dificuldades e também dos direitos que surgiram com a luta dela.

15 anos depois de sua primeira tentativa jurídica para mudança de nome, Roberta finalmente consegue os documentos com seu nome no feminino, em 10 de março de 2005.

Hoje ela é casada, mora na Suíça e visita o Brasil com frequência, para dar um close.

Sem mais artigos