Ele é aquilo que no latim chamamos de persona, isto é, uma máscara. Shia LaBeouf vestiu a persona do rebelde, ou se preferir, de excêntrico. É o ator que vai ao tapete vermelho do hiperglamouroso Festival de Cannes com uma sacola de papelão na cabeça, que envia foto de seu pênis para o diretor para conseguir um papel num filme, o cara que arranja encrenca com a fã quando ela resolve tietá-lo. Não satisfeito, fala mal de um dos filmes que o projetou, a saga Indiana Jones, é preso alcoolizado tumultuando uma farmácia e faz performance pedindo desculpas. Tudo isto faz parte da rebeldia do personagem Shia LaBeouf, ator de Transformers e Ninfomaníaca, que completa 28 anos, nesta quarta-feira (11).

Shia teve uma infância hippie, com um pai veterano do Vietnã que era artista mambembe e teve uma avó paterna que foi beatnik e poeta lésbica, amiga do escritor Allen Ginsberg. Além desta descendência cheia de excentricidade, ele também começou bem cedo na carreira artística, como comediante aos 10 anos. Aos 18 anos, já tinha realizado o sonho da casa própria. Depois, entrou na renomada universidade de Yale, uma das melhores do mundo, mesmo tendo estudado em escola pública.

Isto faz o desenho de uma pessoa séria, compromissada, mas a persona rebelde tenta vedar esta imagem. Em dezembro de 2013, ele brigou com o namorado de uma fã que o abordou. Shia partiu pra cima desse cara depois do ator chatear a namorada dele. Ainda perseguiu o rapaz e disse: “Posso matar você”.

Em novembro de 2012, Shia estava em um pub, em Londres, posando com fãs, quando um homem tirou seu boné, o que iniciou a confusão no bar. Quase um ano antes, em outubro de 2011, ele arranjou briga em um bar em Vancouver, Canadá. A briga foi filmada e o ator aparece levando vários socos de um desconhecido.

Veja vídeo:

Já em fevereiro de 2011, o ator saiu algemado do bar Mad Bull´s Tavern após briga na Califórnia. Mas ele não briga só com anônimos, com o ator Alec Baldwain, ele se desentendeu feio nos bastidores da peça Orphans, da Broadway, que os dois contracenavam.

A lista rebeldia a toda prova de bafos continua: Em 2007, foi preso em uma farmácia alcoolizado, em 2008, faltou a uma audiência judicial acusado de fumar cigarro em uma local proibido. No mesmo ano, foi preso por dirigir alcoolizado, sofrer um acidente e ferir as pessoas que estavam com ele no veículo.

E a causação não para, já foi acusado de plágio em seu curta-metragem HowardCantour.com, que tem takes idênticos a graphic novel do norte-americano David Clowes, intitulada Justin M. Damiano. Resolveu dizer que se aposentadoria, para depois aparecer na escalação do filme Rock the Kasbah. Além de fazer uma instalação considerada bizarra pela mídia internacional, em uma galeria em Los Angeles, chamada I´m Sorry, que o ator chora por horas.

Tudo isto faz com que a personagem rebelde se sobressaía a do ator, em um pacto entre arte e vida que pouquíssimos atores, como Marlon Brando por exemplo, conseguiram sustentar até o fim. No caso de Shia, o que parece é que o personagem ainda está à procura do ator e, com certeza, quando isto acontecer, será um encontro explosivo como os efeitos de Transformers ou as imagens de Ninfomaníaca.

Sem mais artigos