Imagine uma câmera fotográfica que reúna vários modelos clássicos em uma só, como a Lomo, Holga e a Polaroid? E que também reúna diversos tipos de lentes e filtros, sem precisar andar com eles pra cima e pra baixo? Essa máquina já existe: é o seu smartphone.

Quando se pensa em câmera de celular, logo vem à cabeça a imagem pixelizada, o flash ruim, zoom sofrível… Não é por acaso: um ou outro aparelho hoje pode fazer às vezes de câmera fotográfica. Mas com a ajuda de alguns aplicativos isso agora é possível.

Virou moda entre os donos de iPhone ou Android utilizar apps que otimizam a qualidade das imagens registradas por esses aparelhos.  O objetivo não é a alta definição, mas instigar o prazer pela fotografia. Com eles dá para usar molduras, efeitos, saturar a cor das imagens igual a de filmes coloridos antigos…  Quem vê o resultado depois nem acredita que se trata de uma foto tirada por celular.

O aplicativo mais conhecido atualmente é o Instagram, no momento disponível apenas para donos de iPhone. O app é o fenômeno do momento e alcançou recentemente 1 milhão de usuários cadastrados. Ele não é superior ao Vignette, ao Photoid, ao FxCamera, ao Picture Show, ao Hipstamatic, ao Camera + ou ao Retrocamera, apenas alguns – acredite – dos diversos aplicativos de fotografia que existem por aí. O seu diferencial é também ser uma rede social.

O Instagram é uma espécie de Flickr com Facebook para dispositivos móveis. Criado por dois alunos de Stanford – e amantes das chamadas “toy câmeras” , o app vai além da criação efeitos fotográficos:  seu objetivo é fazer as pessoas compartilharem suas imagens.

Os cadastrados, assim que se tornam amigos, têm acesso aos álbuns de fotos dos contatos. Para não ficar uma coisa de “panelinha de donos de iPhone”, o serviço pode ser integrado ao Facebook , ao Twitter ou ao Foursquare.

“Mais uma rede social então?”, pensa o leitor. Sim, mais uma. Mas para uma geração que está acostumada a compartilhar seus pensamentos em 140 caracteres, a exibir seus vídeos e, inclusive, a avisar ao mundo a posição global do lugar em que está comendo, o Instagram é mais uma ferramenta para as pessoas exibirem seus cliques de maneira rápida, eficaz…  E artística. Em breve ele deve chegar ao Android, o que ajudará ainda mais em seu crescimento.

Para quem tiver um smartphone, testar um aplicativo de fotografia é (quase) obrigatório. Quase todos são gratuitos (só escolher um dos vários citados nesta matéria) e as versões pagas têm muita firula, como edição online e outros tipos de recursos complicados, como mexer no ISO – apenas quem usa modelos profissionais vai entender disso.

Para quer deseja brincar e obter resultados bem legais, o Virgula Lifestyle indica dois. Para donos de Android, o Vignette; para o iPhone, o Instagram. Pode apostar que com eles será difícil resistir a tentação de não registrar a todo o momento qualquer cena de seu dia-a-dia.

Aplicativos de fotografia para smartphones viram moda entre os brasileiros

Sem mais artigos