O circuito italiano Enzo e Dino Ferrari, em Ímola, foi palco de homenagens a Ayrton Senna, e também ao austríaco Roland Ratzenberger, que morreram 20 anos atrás em acidentes ocorridos durante o Grande Prêmio de San Marino de Fórmula 1, com direito a “invasão” do público a pista.

Centenas de fãs do brasileiro tricampeão mundial e personalidade do mundo do automobilismo compareceram ao ato, incluindo Gerhard Berger, ex-companheiro de Senna na Mclaren, o italiano Riccardo Patrese, a dupla atual da Ferrari, Fernando Alonso e Kimi Raikkonen, além do campeão da MotoGP, Valentino Rossi.

Ontem já havia sido realizada uma missa em memória a Ratzenberger, hoje, o dia foi dedicado ao ídolo do automobilismo verde e amarelo. Também houve missa, e às 14h17 locais (9h17 no horário de Brasília), um padre abençoou a curva Tamburello, onde Senna morreu.

No momento do ato, em que houve expressivo silêncio de todos que se dirigiram a pista, para depois alguns se unirem em oração, apontando com dedo em riste o céu, como Senna fazia em cada vitória. Além disso, um busto do piloto seria inaugurado hoje.

Antes da cerimônia, direto de Ímola, Fernando Alonso tuitou mensagem lembrando que as tragédias de 1994 mudaram os rumos da Fórmula 1.

“Roland Ratzenberger, Ayrton Senna, e aquele terrível e triste GP de 20 anos atrás. A segurança atual na F-1 é o legado deles. #heróis”, escreveu o bicampeão mundial.

Na sexta volta do Grande Prêmio de San Marino, quando Senna liderava a prova a bordo de sua Williams, houve a quebra da barra de direção, que fez o piloto perder controle do carro e se chocar fortemente contra o muro. Horas depois, sua morte foi anunciada no hospital de Bologna, na Itália.

Sem mais artigos